Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
45 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138242)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->VELHO CATIREIRO -- 23/01/2004 - 16:11 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. VELHO CATIREIRO

Catira, quanta saudade
Do meu velho catireiro
Sapateando à vontade
Lá no meio do terreiro.

No repique da viola
Cantando e batendo o pé
Meu pai me deu a escola
E hoje eu sei como é.

A fibra de violeiro
Que trago desde criança
Foi meu velho catireiro
Que me deixou de herança.

Eu sempre estou enxergando
Na minha imaginação
O meu velho pai dançando
O catira do sertão.

Ó catireiro, não deixe
O meu catira parar
Porque um filho de peixe
Tem o dever de nadar.

Catira, quanta saudade
Do meu velho catireiro
Sapateando à vontade
Lá no meio do terreiro.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 831 vezesFale com o autor