Usina de Letras
Usina de Letras
75 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59666 )

Cartas ( 21255)

Contos (13325)

Cordel (10320)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9537)

Erótico (13486)

Frases (47215)

Humor (19420)

Infantil (4627)

Infanto Juvenil (3940)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138779)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5659)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Humor-->A cantada do ano -- 05/11/2002 - 16:45 (Ana Maria de Moura) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




Não é mentira, não é mentira, não é mentira! Acreditem em mim, isso aconteceu.

Era uma festa de casamento, linda, regada a vinhos, champanhes, e refrigerantes baratos. Aquelas festas onde você encontra com o manobrista do prédio, com o pedreiro que reformou sua casa, com doceira que fez o bolo com três andares que derreteu “um tiquinho só” por causa do calor que fez no dia. “E sabe né? Esses bolos enormes, não cabem na geladeira, a gente sua para manter o glacê no lugar”.

Mas também tinha a turma endinheirada, que a cidade toda sabe que deve na praça, mas aparece com carro zero – e certamente um carnê de cinqüenta títulos a serem pagos, no porta luvas.

Era um mix de personalidades, no mínimo, antagônicas.

A explicação para tal estava nas diferenças sociais entre família do noivo e da noiva.

Ele, filho de pai bem de vida, ele filha de taxista. Ele formado numa Federal, ela cursando letras numa faculdade particular de Segunda. Apaixonaram-se no Táxi. O pai levava o futuro genro para casa, após pegá-lo no aeroporto e o rapaz se encantou com a foto da filha colada no painel do veículo. Linda! Linda! Uma princesa.

Pegou o cartão do motorista, passou a chamá-lo com freqüência, ficaram camaradas, convidou-o para um churrasco: “Traga a família toda, não se acanhe, o churrasco é para os amigos”.

Chegou o dia, o taxista demorava, o rapaz aflito, o pai do rapaz sem entender a angústia do filho.

Finalmente, o taxi para em frente à casa no condomínio fechado. Demorara pois não fora fácil entrar na portaria. Os guardas não deram mole para aquele taxi cheio de gente.

E no meio daquela gente, ela, a princesa, mais linda do que na foto. Sorria, sorria muito, o tempo todo. Baixava os olhos quando encarada pelo jovem que tanto a esperara.

Apaixonaram-se, é claro. Coisa de novela. Marcaram o casamento para dali à três meses. O pai do noivo deu a casa, os móveis, as plantas, os lustres, as cortinas, enfim, tudo. Os pais da noiva insistiram em dar a festa, questão de honra.

Essa era a festa e lá estava eu produzidíssima, sentada em uma cadeira de armar, dessas com logomarca de cerveja, tomando Tubaína morna. O vinho nem arrisquei, a ressaca poderia ser imensa. Champanhe? Só se fosse doida e varrida.

Apesar da situação exótica, entrei no clima agradável do bate-papo simples da mesa. Fiquei ao lado do cabeleireiro da noiva, trocamos truques de beleza, “embichei-me” total e fiz a minha festa particular.

No final, tudo já era normal e familiar, até o padrinho da noiva usando um terno branco já não me parecia o fim do mundo.

Mas eis que o mais estapafúrdio aconteceu.

Fui ao Toilet, retocar a maquiagem. Na saída, deparei com um sujeito de blazer marrom, calça preta, camisa amarelinha, sem gravata e lavando as mãos no lavabo comum aos banheiros feminino e masculino.

Pois o tal sujeito olha para mim, de cima em baixo, fixa o olhar no meu rosto e pergunta com toda a seriedade do mundo: “Você tem frieira”?

Eu devo ter arregalado muito os olhos, porque cheguei a sentir que o botox já era. Não sabia se respondia, se fazia cara de paisagem e fingia que não era comigo, mas foi inevitável dizer algo. Ele continuava me fitando.

Totalmente sem jeito, me saí com essa: “Não, não tenho, por que?”

Ele, com a maior cara de pau que eu já vi em toda minha vida disparou: “Eu sabia, uma coisa tão linda e perfeita como você não poderia ter frieira”.

Eu subi os degraus da escada que levava ao salão de festas rindo por dentro e ao mesmo tempo com vontade de voltar e dizer alguma coisa que desse sentido àquela situação. Como se isso fosse mesmo possível.

Moral da história: Diferenças sociais pouco importam, os homens são muito ruins de cantada, mesmo.


Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui