Usina de Letras
Usina de Letras
25 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->A presença num átimo -- 12/08/2003 - 23:57 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Clic"ali,oh:=>>>Sucesso efêmero



















Se você vivenciou

uns momentos de presença,

por certo, não observou,

por estar sem a atença,

que pouco tempo durou



a sua mente vazia.;

o espaço foi estreito,

o pensar, a agonia,

logo preenchem o leito.



Seu satori foi pequeno,

demorou só um instante,

mas você ficou sereno,

vendo o belo reinante.



A mente não reconhece,

nem elabora beleza,

quando você permanece

presente, na inteireza.



A pequena permanência,

a falta de vigilância,

a falha de consciência,

é que fazem a distância,



entre o seu perceber

o belo sem pensamento

e os chavões, discorrer

sobre aquele momento.



Tudo passa tão ligeiro

que parece um processo,

e do momento certeiro

só resta lembrar, supresso.



Quanto maior o espaço

entre nossa percepção

e o pensamento lasso,

mais consciência, atenção.



Pôr-se no lugar da flor,

e ver da flor a si mesmo,

pra muitos é um horror,

é o que se vê a esmo.



Estão mentalmente presos,

as belezas naturais

parecem-lhes contrapesos

pra compensar os seus ais.



Por mais que ressaltem algo,

falta-lhes a consciência,

não vêem com ar fidalgo

a flor na sua essência,



e ficam mais impedidos

de em si mesmos sentir,

por muitos anos vividos,

o belo do abstrair.



Dominados pela mente

construímos a cultura

de maneira indecente,

sem a menor compostura,



seja nas letras, nas artes,

seja na arquitetura.;

músicas nos dão infartes,

tudo é grande feiúra.



Os autores não conseguem

livrar-se das suas mentes,

e, muito embora neguem,

continuam qual ausentes.





Clic"ali,oh:===>>>Como jogar o tênis melhor que o Guga















































Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui