Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
82 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->AMOR POR DINHEIRO -- 06/08/2004 - 14:33 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
AMOR POR DINHEIRO

Depois de alguns anos
Que eu era casado
O meu lar honrado
Eu mesmo desfiz.

Deixei minha esposa
E duas crianças
Sem mais esperanças
De outro lar feliz.

No meu coração
Esfriou-se o calor
E a chama do amor
Tornou-se fumaça.

Fui comprar das mãos
De uma mariposa
O que minha esposa
Me dava de graça.

Mais tarde uma noite
Saí à procura
De alguma aventura
Era o que eu fazia.

Pois assim buscava
Esquecer-me as falhas
E encher de migalhas
Minh’alma vazia.

Nas tristes agruras
Da vida pensando
Fui logo entrando
Em um botequim.

Naquele ambiente,
Um bar de má fama,
Eu vi uma dama
Olhando pra mim.

Aquela infeliz
Logo aproximou-se
Eu pensei que fosse
Uma outra qualquer.

Mas depois enquanto
Com ela eu falava
Vi que se tratava
De minha mulher.

Culpou-me da vida
Que estava levando
Falou-me chorando
Dos tempos de outrora.

Não tinha notícias
Dos filhos queridos
Que andavam perdidos
Pelo mundo afora.

Com beijos e abraços,
Me amou de verdade,
Por necessidade
Dinheiro pediu.

Comprei-lhe o amor,
Ela pôs o seu preço
Sem dar endereço
Sozinha partiu.

Fiquei contemplando
Aquela figura
Que na noite escura
Desapareceu.

Naquele momento,
Gritei de horror:
Comprei o amor
Que de graça era meu.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benedito.costa@previdencia.gov.br

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 837 vezesFale com o autor