Usina de Letras
Usina de Letras
28 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62472 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10469)
Erótico (13578)
Frases (50857)
Humor (20082)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140901)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Tristan (III) -- 30/08/2003 - 11:21 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Clic"ali===>>>Gottfried von Strassburg

































































Eu conheço isto indubitavelmente,



e de própria experiência totalmente infeliz:



O amante elegante



aprecia romances.



Quem então agora procura por uma tal narrativa,



pode parar por aqui, não precisa continuar.





De maneira correta, quero contar-lhe



de amantes elegantes,



que passaram por uma completa paixão:



um amante, uma amante,



um homem, uma mulher, uma mulher, um homem,





Tristão, Isolda, Isolda, Tristão.





O prólogo termina com uma declaração de Gottfried von Straßburg em que ele considera a versão de Tristan escrita por Thomas, em 1175, como a única autêntica . O poema de Gottfried serve aos "nobres corações" como o pão da vida.





Por quê não deveria um nobre modo de pensar



ter boa vontade para tirar mil vantagens de um mal,



muita alegria, suportando um pouco de tristeza?





Quem nunca sofreu por causa do amor,



também nunca experiencia sorte através dele.



Alegria e tristeza sempre foram ligadas



à idéia de amor, inseparavelmente.



Com ambas deve a pessoa



alcançar respeito e elogio







ou sem elas morrer [...]



Porque lá, onde a pessoa ainda ouve falar



da sua devoção, da pureza da sua fidelidade,



da sorte e do amargor do seu amor:



Lá, todos os nobres corações acham pão.



Por meio disso, viva ambas as suas mortes.





Nós colhemos das suas vidas, nós colhemos das suas mortes,



e isso nos parece nutritivo como pão.



Suas vidas e suas mortes são nosso pão.



Portanto, viva suas vidas, mantém viva suas mortes.



Assim, também, eles podem viver, embora mortos,



e a morte deles destina-se ao Pão da Vida.



E quem agora deseja que alguém lhe diga



da vida deles, da morte deles, da alegria deles, a dor deles,



isto abre coração e ouvidos.;



aqui para o que ele olha, ele acha.



Clic"ali,oh===>>>>Tristan (IV)



Clic"ali,oh===>>>>História da Literatura do Médio Alto Alemão









































Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui