Usina de Letras
Usina de Letras
71 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59519 )

Cartas ( 21247)

Contos (13250)

Cordel (10311)

Crônicas (22246)

Discursos (3167)

Ensaios - (9502)

Erótico (13497)

Frases (46991)

Humor (19364)

Infantil (4542)

Infanto Juvenil (3850)

Letras de Música (5495)

Peça de Teatro (1339)

Poesias (138581)

Redação (3072)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2430)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5612)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Letras_de_Música-->E o Futebol da Bicharada, camarada? -- 23/07/2021 - 16:59 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Twitter

exibições4.223

Futebol da Bicharada

Raul Torres

 

 

Ouvir "Futebol da Bichara…"

na Amazon Music Unlimited (ad)

 

Lá no arraiá das curuja fizéru dois cumbinadu,
U timi du quebra-dedu, i u timi du pé rapadu.
A bicharada riuniru, formaru logu seus quadru,
Nóis fumu vê essi jogu, pur sê um jogu faladu.

A bicharada pidiu pru jogu sê irradiadu,
Na istação du lugá, PRJ-Bichadu,
U "ispiqui" era u jumentu, rapaizinhu aperparadu,
As quinzi hora da tardi u jogu foi cumeçadu.

U timi du quebra-dedu tinha fama di campião,
Sapu jogava no gol, béqui di ispera u lião,
Cavalu u béqui di avançu, u "harfu" isquerdu priá,
Viadu di "center-harfu", "harfu" direitu u gambá.

A linha tava um pirigu, na meia jogava u gatu,
Nu centru jogava u tigri, na otra meia u macacu,
Na isquerda jogava u bódi, direita jogava u ratu,
E pra atuá di juiz, foi cunvidadu u largatu.

U tigri deu a saída, cuêiu foi pra tirá,
U tigri passô pru bódi, mais quandu eli foi chutá,
Puxaru a barba du bódi, u bódi foi recramá,
Juiz falô qui num viu, cachorru já quis brigá.

A cabra muié du bódi, xingô u juiz di ladrão,
Turcida du quebra-dedu fizéru recramação,
A capivara e a cutia pegáru xingá u lião,
Priguiça dava risada di vê u sapu di carção.

Largatu qui era u juiz, na hora deli apitá,
Tinha ingulidu u apitu, num pôdi u jôgu pará,
A turcida entrô nu campu, di pau, di faca i punhá,
U pau cumeu direitinhu, matáru trêis nu lugá.

U bódi ficô firidu, mataru u béqui lião,
Rasgaru a saia da cabra, cavalo quebrô a mão,
U sapu saiu correndo, pinchou-si num riberão,
Pur que na hora da briga eli ficô sem carção.

U jogu num terminô, pur issu ficô impatadu,
Agora nóis vai falá, du center-harfu viadu.
Nervosu eli dizia, entri suspirus i ais:
Qui jôgu brutu, meu deus, assim eu num jógu mais.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 24Exibido 21 vezesFale com o autor