Usina de Letras
Usina de Letras
22 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62472 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10469)
Erótico (13578)
Frases (50857)
Humor (20082)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140901)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Levitação -- 16/09/2003 - 20:59 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Clic"ali, oh:=>>>Espaço e silêncio



































Se você bem refletir,

se nada não existisse,

só silêncio a agir,

talvez você distinguisse



que o silêncio só vale,

quando o som aparece.

Caso o som, também, se cale,

e nada se oferece,



o espaço, sem objeto,

nada significaria,

sem um sentido completo,

você o ignoraria.



Imagine-se no ar,

no espaço flutuando,

como ponto, devagar,

de consciência, vagando,



e estrelas não há lá,

e nem galáxias também,

somente vazio há.;

e imensidão não tem



o espaço desse jeito.

Ele nem lá estaria.;

e não há velocidade,

e nada se moveria,



não havendo referência,

além do primeiro ponto,

não tem nenhuma valência

querer demonstrar, de pronto,



que a distância existe,

e, também, velocidade.

E, se espaço persiste,

surge, então, a Unidade,



a que em dois se transforma,

e em dez mil se desdobra,

e o manifesto forma,

espichando como cobra,



em espaço infinito.

Portanto, o mundo "pinta"

com o espaço, é dito,

ambos com a mesma tinta.



Nada poderia ser

sem que espaço houvesse,

e, não é mais fácil crer,

se este mesmo não cresce.



Mesmo antes deste mundo,

nenhum espaço havia,

vazio, digo rotundo,

pra perder autonomia



com algo que o lotasse.

Espaço nenhum havia,

e nada que indicasse

coisas, nada existia.



Só havia Unidade,

o Não Manifesto, só,

e a multiplicidade

d"Ele, qual ouro em pó,



fez o espaço surgir,

mostrar que estava lá,

pronto para permitir

o existir do que há.



De onde teria vindo?

Será que Deus o criou

confortável e infindo

pra guardar o que gerou?



Claro que não. O espaço

é nada, coisa nenhuma.

Incorre em um fracasso

quem com isso se arruma.



Ele nunca foi criado.

Veja, em noite bem clara,

as estrelas, aos milhares,

isso não é coisa rara,

todas em seus bons lugares.



Galáxias há, aos bilhões,

todas bem documentadas,

e formam muitos rincões

de estrelas concentradas.



Ainda assim, mais vale

o espaço infinito.

Melhor que a gente fale

do que não dá nenhum grito,



do profundo e quieto,

do que às coisas permite

existir, nunca repleto,

e que nunca se omite.



Nada mais tão respeitável

que a grande quietude,

que o incomensurável

vazio, a Plenitude.



Aquilo que se apresenta

como espaço pra nós,

na nossa mente assenta

e nos sentidos tem foz.



É a forma que contorna

o que é Não Manifesto.;

em "corpo" de Deus se torna,

um esplendoroso gesto.



É este grande Possível

que ao Universo cede

um jeito de ser, visível,

quieto, que não se mede.



Também, essa quietude

e essa imensidão

existem, como virtude,

dentro de nós, meu irmão.



Quando estamos inteiros,

e totalmente presentes,

nós O vemos, bem certeiros,

como espaço, cientes,



em nosso interior,

como espaço sereno,

o espaço receptor

da mente vazia, pleno.;



dentro de nós é imenso,

mas só em profundidade.;

e só pode ser extenso

na transcendentalidade.





Clic"ali,oh:===>>>Como jogar o tênis melhor que o Guga











































































Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui