Usina de Letras
Usina de Letras
26 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62472 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10469)
Erótico (13578)
Frases (50857)
Humor (20082)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140901)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Tristan (X) -- 23/09/2003 - 09:31 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Clic"ali===>>>Gottfried von Strassburg





.............................................................................................................................................

























Sua mãe ficou extremamente alegre, também, por isso.

Daí em diante, frequentemente,

quando seu pai estava de bom humor,

ou quando cavaleiros estrangeiros

se reuniam com ele, na corte,

Isolda

era chamada por ele.



E, com toda sua proficiência

em arte elegante e fino decoro,

dialogava com ele

e com muitos outros lá.

Com isso, ela alegrava seu pai

e a todos igualmente.



Nobres do alto escalão ou de posto mais inferior,

todos desfrutavam

das suas encantadoras observações,

era um prazer para ouvidos e corações.

Sua alegria interior era completa

e ela a externava com a mesma intensidade.

A doce e pura Isolda cantava, poetava e recitava.



E o que a todos agradava,

aviventava sua própria alma.

Com a rabeca ela tocava suas músicas para dançar,

canções e melodias estrangeiras,



as estrangeiras mais difíceis de se obter,

em estilo francês,

de Sens e São-Denis.

Disso ela tinho total domínio.

Lira e harpa



ela tocava de ambos os lados,

com alvura nas mãos,

admiravelmente.



Nem em Lud, nem em Themse

mãos de mulheres jamais

tocaram cordas aqui mais encantadoramente que

a doce e bela Isolda. Ela cantava sua Pastourelle,

sua "Rotrouenge" e sua Rondeau

Chanson, Refloit e Folate, a todo volume,

formosamente,

e inundava muitos corações

de saudade.



Através dela, muitos

pensamentos e lembranças eram despertados.

Elas estimulava muitas contemplações

como vós bem sabeis, que podem acontecer,

quando a pessoa mira um tal Possível

de beleza e habilidade,

como o que em Isolde se revelava.



Com quem posso eu comparar

a bela, a abençoada donzela

além das sereias solitárias,

que, com seu magnetismo,

desviavam os navios para si mesma?

Do mesmo modo, Isolda desviava,

penso eu, muitos pensamentos e corações,

que se sentiam, certamente,

apaixonados.



Além do mais,

um navio sem âncoras e o estar apaixonado

são bons pra se comparar.

Nunca eles se movem

numa só direção.

Frequentemente, atracam num porto incerto ,

flutuam para cima e para baixo,

são lançados pelas ondas de um lado para outro.

Assim fluem os vagos desejos,

a incerta saudade do amor os rodeiam,

como também faz o navio sem âncoras,

exatamente, do mesmo modo.



A habilidosa, inteligente Isolda,

a doce princesa,

atraía os pensamentos, assim,

de muitos corações solidamente trancados,

tal como o magnetismo desviava os navios

com o canto das sereias.

Ela cantava a si mesma em muitos corações,

franca e secretamente,

pelos olhos e pelos ouvidos.



Clic"ali,oh===>>>>História da Literatura do Médio Alto Alemão

































Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui