Usina de Letras
Usina de Letras
52 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59675 )

Cartas ( 21255)

Contos (13343)

Cordel (10321)

Crônicas (22226)

Discursos (3170)

Ensaios - (9538)

Erótico (13486)

Frases (47229)

Humor (19421)

Infantil (4629)

Infanto Juvenil (3943)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138798)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5663)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->DESEJO FATAL -- 16/01/2000 - 08:51 (AGUIA REAL) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
DESEJO FATAL



MEU CORPO É UM VIVEIRO

TRANSPARENTE

DE CRISTAL

E NELE MORAM ÁGUIAS

AS AVES QUE ME GUIAM

NA DIREÇÃO DA LUA

OU DO ABISMO

COMO QUEIRAM



COM ÁGUIAS POR DENTRO

EU SOU O ESPAÇO

PENHASCOS

O CÉU ABERTO



ASAS PODEROSAS

VOAM EM MIM

E FICAM PLANANDO

EM CÍRCULOS

NO AR AZUL DO MEU PULMÃO

RISCANDO O VENTO

MERGULHAM

E PASSAM SUAVEMENTE

PERTO DO CORAÇÃO



SE TE VEJO E NÃO ME VÊS

AS GARRAS TOCAM DE RASPÃO

OU ATRAVESSAM COMO UM “MIRAGE”

MINHA COLUNA VERTEBRAL

NERVOSAMENTE



QUANDO PROCURO POR MUITOS DIAS

E NÃO TE ENCONTRO

COMEÇO A OUVIR NO MEIO DA NOITE

SEUS GRITOS, CORTANTES

E VEJO MONTANHAS, NUVENS

ANDORINHAS E O MAR DISTANTE



A COR DA ÁGUA ME ACALMA

E FICO QUIETO

EM MINHA ALMA DE RAPINA

PROCURANDO A TUA VISÃO



COM MINHA PERCEPÇÃO AQUILINA

ENXERGO AO LONGE

UM ANIMAL BRILHANTE

UMA LEBRE DE LUZ

O PENSAMENTO PULSANTE

SEGUNDO A SEGUNDO

ESPERANDO O ATAQUE FINAL



O BICO AFIADO

OLHAR PENETRANTE

VELOCIDADE, FORÇA

VÔO RÁPIDO

VERTIGEM



COM A PRESA EM SUAS MÃOS

ELA VOA E VOLTA



PARA O NINHO

QUE ESTÁ LOCALIZADO

EM MINHA CAIXA CRANIANA

CAVIDADE DO OLHO DIREITO

NA MENINA DOS OLHOS

EXATAMENTE



PARA OS FILHOS

QUE COMEM OS FOTONS

E REINVENTAM A TUA IMAGEM

CARINHOSAMENTE



E MINHA VIDA É ASSIM

DE TANTO AMAR

AMO VOAR



QUANDO ESTOU EM LUGARES PÚBLICOS

MULTIDÕES, MILHARES DE RUIDOS

ANDO DEVAGAR, FORA DO RÍTMO

PORQUE ELAS VOAM EM MIM

SILENCIOSAMENTE



ÀS VEZES CANSADO

SENTO DEBAIXO DAS ÁRVORES

APAGO O MUNDO

E ELAS VOAM

E CONTAM HISTÓRIAS

DE DESFILADEIROS

LENTAMENTE



E FAZEM EVOLUÇÕES PERFEITAS

NO MEU CORPO CELESTE

E PERCORREM RELUZENTES

O MEU SER UNIVERSAL

DESEJO ETERNO

ÍCARO



Fred Brasiliense

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui