Usina de Letras
Usina de Letras
53 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59512 )

Cartas ( 21247)

Contos (13248)

Cordel (10311)

Crônicas (22245)

Discursos (3165)

Ensaios - (9500)

Erótico (13497)

Frases (46983)

Humor (19364)

Infantil (4541)

Infanto Juvenil (3845)

Letras de Música (5495)

Peça de Teatro (1339)

Poesias (138579)

Redação (3071)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2430)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5608)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Arlindo Martins Raposo* -- 30/11/2020 - 10:30 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Arlindo Martins Raposo*



Dedicatória ao meu ex-professor de Matemática, a quem sou muito grato e de quem nunca me esqueci.



Arlindo Martins raposo, de quem tive o privilégio de ser aluno há mais de 50 anos e com quem aprendi a descobrir e a valorizar as maravilhas da Matemática.



Lembro-me, com saudade,  dos tempos em que aproveitava alguns minutos de folga do abnegado mestre para tirar dúvidas. Sempre solícito e absolutamente seguro, resolvia com destreza os dificílimos problemas que lhe expunha.



Depois das aulas, quantas vezes conversávamos até tarde sobre a importância do conhecimento euclidiano e a respeito da vantagem de levar a sério os estudos?  Conseguiu transmitir algo muito essencial na vida -- o senso de responsabilidde e o amor aos números.



Jamais me esqueci da maneira nobre com que conduzia as aulas, não permitindo o menor deslize. Recusava-se a corrigir exercícios que estivessem desenvolvidos em papel de serviço público ou que claramente não pertencessem ao aluno. Era contra qualquer desleixo. Tudo tinha de ser correto; por exemplo, o resultado da divisão de 9 por 5 não podia ser expresso com sinal de igualdade acima (ou abaixo) do traço que indica fração); devia localizar-se entre o numerador e o denomidor, ou seja: entre o traço que indica fração.



Ensinou-me a calcular equação do 2º grau sem o uso da famosa fórmula de Báskara; desenvolveu o teorema de Pitágoras de modo simples e compreensível; mostrou, com habilidade e saber, a diferença entre as paralelas que se cruzam no infinito e as que não se encontram. 



Naquela época o livro adotado era o do Oswaldo Sangiorgi, 4ª série ginasial. Com dificuldade na matéria para terminar o ano letivo e precisando de menção,  resolvi todos os exercícios dele; porém, como julgou pouco, exigiu que solucionasse os do livro de Carlos Galante. Assim procedi, preenchendo 4 cadernos grandes. Conquistei a média, concluí o curso e fiz mais um amigo, um amigo inesquecível.



Por tudo, que Deus lhe pague!



Com estima,



Benedito   



* Brasília, DF, 30/11/2020. "Grandes Talentos 4", Rio de Janeiro, Litteris Editora, 1995, p. 14.



                                                               



            



 


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 24Exibido 46 vezesFale com o autor