Usina de Letras
Usina de Letras
58 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59565 )

Cartas ( 21248)

Contos (13280)

Cordel (10314)

Crônicas (22226)

Discursos (3166)

Ensaios - (9519)

Erótico (13500)

Frases (47111)

Humor (19394)

Infantil (4585)

Infanto Juvenil (3881)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138624)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2431)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5637)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->O Que Esperar de 2021 -- 28/12/2020 - 17:21 (Lita Moniz) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

         O que Esperar de 2021

             Será o fim da pandemia? Será a hora de contar os mortos, sem mascarar a verdade?

Quantos, quantos perderam a vida, muitos sem necessidade.

Contar os prejuízos, o que cada lar, cada nação perdeu.

O que se e fez e o que se podia ter feito para evitar que a pandemia fizesse o estrago que fez.

Hora de recomeçar, de repensar a vida, encontrar outra saída.

No seio da sociedade há inteligências, ânsias, esperanças, vontades e indivíduos que fazem a diferença, capazes de fazer acontecer.

Campeões no esporte, e gente que ousa, avança, a ciência, a tecnologia vai junto até chegar a outro patamar.

Em todas as áreas de conhecimento há especialistas a chegar com vontade de fazer melhor, de avançar.

Na política não podia ser diferente, a par do rotineiro comportamento dos políticos , verificam-se mudanças substanciais, alguns, cansados de velhas práticas, repensam suas posições e há inteligências a chegar com idéias

inovadoras, teorias e projetos com propostas de mudança para dar sustentabilidade à  saúde econômica, social e cívica das nações. Novos ideais que merecem atenção e necessário espírito democrático.

Não há mais espaço para  divergências políticas a travar o progresso, a vida  deve seguir seu rumo natural; é hora de separar o joio do trigo. De fazer uma boa leitura dos embasamentos filosóficos, dos avanços científicos, dos ensinamentos dos mestres espirituais tudo isto  que norteou  o modo de pensar e de viver ao longo de muitas eras.

Segundo a astrologia, por muitos aceita, por outros colocada em dúvida, mesmo não sendo uma ciência admitida como tal, é uma tradição que se tem mostrado com muitos acertos. Para este saber

Estamos saindo da Era de Peixes, uma era voltada para a sobrevivência, para as necessidades básicas da humanidade, Era do

“Ter”, da busca sem medidas em prol da segurança.

A natureza foi devastada, destruída. A  vida animal implacavelmente perseguida, muitas espécies extintas.

A vida humana dividida em castas, classes sociais: aos ricos tudo, aos pobres nada.

   Para minimizar a culpa acharam uma boa desculpa: tudo que de bem ou de mal acontece ao ser humano a culpa é sua. "Não importa a vida que te foi dada, importa o que cada um fez com essa vida que lhe foi dada" . Assim como Pilatos lavavam as mãos.

     A Era de peixes, é também a Era de Cristo, mas Cristo não disse isto.

      Desvirtuaram a intenção, desviaram-se da missão.

O que é a Era de Aquário?

“Segundo a astrologia, é a atual "era cósmica", regida por esse signo - que favorece a comunicação rápida, a busca pelo futuro e a oposição ao autoritarismo”.

    Vamos acreditar: a humanidade já sofreu demais, aprendeu na dor a não se deixar levar

por falsas promessas, por falsos profetas.

       Diante da máxima “ Cada povo tem o governo que merece” talvez estejamos sim num momento bom para escolher governantes que coloquem o seu poder, conhecimento e ideais a serviço da coletividade.

      Acreditando ou não na Era de Aquários a Chegar, parece haver uma tendência a refletir um novo modo de pensar de agir de se colocar no mundo.

      Está muito claro que o mundo só terá paz quando as desigualdades sociais a nível de nação ou mesmo de países diminuírem a distância e aumentarem a semelhança, somos todos independente de raça, cor ou gênero etc. Homo Sapiens, uma mesma espécie, e aqui vale dar uma olhada boa nas demais espécies que habitam o Planeta e verem que nenhuma espécie ataca ou mata seres da mesma espécie.

Antes pelo contrário, se protegem uns aos outros num instinto natural de sobrevivência.

 

                                           Lita Moniz

 

           

 

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 6Exibido 127 vezesFale com o autor