Usina de Letras
Usina de Letras
55 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59578 )

Cartas ( 21248)

Contos (13286)

Cordel (10315)

Crônicas (22226)

Discursos (3167)

Ensaios - (9520)

Erótico (13500)

Frases (47120)

Humor (19398)

Infantil (4588)

Infanto Juvenil (3888)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138645)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2431)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5640)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->A SECA NO SERTÃO -- 17/06/2021 - 21:15 (Renato Souza Ferraz) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

A SECA NO SERTÃO

Renato Ferraz

 

Essa será mais uma noite de sofrimento,

Sem dormir.

Ansioso, olho triste para o céu,

Rogo a Deus uma promessa.

Que mande chuva pro sertão.

Já não suportamos mais tanta privação.

O chão de tão seco está rachando,

O pasto acabou as últimas folhagens,

As criações morreram de fraqueza.

Quando o dia amanhece

Acordo cedo cheio de incerteza

Lembro dias melhores

De colheita e mesa farta.

No céu, agora eu vejo algumas nuvens

Mas elas passam rapidamente.

A vontade que dá é de voar e trazê-las

Para o chão bem juntinho dos meus pés.

Para molhas as plantações.

Nunca soubemos o porquê

Dessa nossa sina de sofrimento.

Tem ano que chove na hora certa

A quantidade certa

Tudo fica verde e alegre.

E depois é esse castigo.

De repente tudo muda.

Vem a seca, a miséria e a tristeza.

E só nos resta seguir nosso destino

De esperança e de fé.

Todo dia cumprimos a nossa obrigação.

Vamos para a roça limpar o mato e preparar a terra

Ainda tenho esperança.

Quem sabe não acontece um milagre?...

Mas, Meu Deus, tem horas que bate a fraqueza,

E vem a vontade de desistir,

de vender o que nos resta e ir embora

Para a cidade procurar um trabalho.

É quando com tristeza vejo a família assim

Sem ter o que comer nem o que fazer.

As crianças desesperadas choram inquietas.

E a gente o pouco que tem vai consumindo

Até ver uma hora de acabar...

É assim com mais um ano de estiagem.

Já são 5 que completa agora com esse.

Mas acredito no Senhor, Deus!

Ó Pai do Céu, bem que o Senhor podia fazer

Os políticos diminuírem nosso sofrimento.

Já que na terra são eles quem mandam.

Com tanta água aqui pertinho de nós, debaixo do chão.

E a gente nessa seca triste sem ter o que plantar.

Às vezes quero perder a esperança

Mas sei que Deus não vai me faltar

E no próximo ano chuva vai mandar.

Para a gente voltar a plantar

Depois colher e sorrir.

E não ter que abandonar nosso chão amado

Aqui onde viveram e estão enterrados os nossos antepassados.

 

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 1Exibido 554 vezesFale com o autor