Usina de Letras
Usina de Letras
28 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Curo-me -- 18/11/2003 - 17:53 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Clic"ali, oh:=>>>Tal e qual "méa mulé!"



















— Se você está doente,

mas aceita a doença,

você é um indolente,

sem vontade, sem presença,



que não toma atitude

pra combatê-la de vez,

retomar sua saúde,

sem ter maior mesquinhez?



— Entrega é acolhimento

do que é, sem condição.

Falamos deste momento,

da vida, de antemão,



não sobre situação

de vida, da qual faz parte

orgânica disfunção,

uma doença destarte.



A doença tem passado,

e um futuro também.

É fluxo unificado

onde o Ser intervém,



através da consciência.

É sob a situação

que atua a Essência,

sem nenhuma condição.



Como o Ser é inteiro,

Ele nunca adoece.

Eterno, hospitaleiro,

de doença não padece.



Dar um rótulo qualquer

à atual condição,

qualquer nome que se der

a uma situação,



fortifica, consolida

um distúrbio temporário.;

e quem com algum mal lida,

não pode ser refratário.



Tudo real lhe parece,

e o tempo continua.

Mas, se isso acontece,

deixe o mundo da lua,



não rotule a doença,

não dê nomes que a mente

já tem como conhecença

para qualquer um doente.



Ela se reduz, apenas,

a quatro situações,

são quatro tipos de cenas,

fatores, ou condições:



o físico sofrimento,

o desconforto geral,

ou o enfraquecimento,

ou invalidez fatal.



A isso você se doa,

a um deles se entrega.

Não à idéia que soa

como doença que pega.



Deixe que o sofrimento

lhe carregue pro presente,

agora, neste momento,

pra presença consciente,



com toda concentração,

da maneira mais intensa.;

como iluminação,

você usa a doença.



A entrega não transforma

diretamente o mal,

o que é, que lhe deforma.;

não é tão direcional.



Ela transforma você!

Quando você se transforma,

algo vai acontecer,

o seu mundo se reforma,



pois seu mundo é somente

um reflexo, a imagem.

Ninguém é inconseqüente

de agredir a miragem,



ou o que vê no espelho

e lhe deixa descontente.

Porém, com seu "aparelho",

você não é diferente,



é isso que você faz,

bem assim, exatamente,

só porque não é capaz

de aceitar-se doente.



E, geralmente, quem bate

também acaba levando.

Doença não se abate,

está sempre levantando.



Mas, se você a recebe,

qualquer imagem que seja,

qual amiga a concebe,

ela, então, não enseja



momento de agressão.;

é dessa forma que vem

grande modificação

pro mundo que você tem.



Não é problema o mal,

o problema é você,

sob o controle mental,

que seu ego mais provê.



Quando estiver doente,

mesmo incapacitado,

não se sinta carecente,

como quem é fracassado,



não sinta culpa de nada.

E não culpe esta vida,

ela não é desgraçada,

nem você com tal ferida.



Isso é só resistência.

Se você está sofrendo,

use tal deficiência,

a que vai lhe ocorrendo



para poder alcançar

sua iluminação.

Você poderá usar

qualquer mal d"ocasião



para poder alcançar

sua iluminação.

Você tem que retirar

o tempo, criar um vão,



entre ele e o mal.;

ele não terá passado,

nem futuro natural.;

deixe que seja forçado



por ele a perceber

a grande intensidade

desse momento, do Ser,

a pura realidade.



E veja o que ocorre.

Torne-se um alquimista.

Veja que o metal morre,

vira ouro, sem mais pista.



Transforme seu sofrimento

na mais pura consciência,

este infeliz momento

em Ser, a sua essência.



Você, estando tão mal,

sente raiva do que digo?

Isso é bem natural,

mas, por isso, eu prossigo.



Esse é um sinal claro

de que seu mal se tornou

parte do seu eu, meu caro,

do seu eu interior,



sendo que, neste momento,

você está protegendo

certidão de nascimento,

e tudo que foi vivendo,



o seu ridículum-vitae,

suas mumunhas, histórias,

até seu bicho-de-pé,

suas jornadas inglórias,



tudo isso ajuntado

— a sua identidade —

e o mal acarretado,

a sua "fatalidade".



A circunstância chamada

de "doença" não tem nada

a ver com essa virada,

com tão grande empreitada.





Clic"ali,oh:=>>>Vendo salmão







































Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui