Usina de Letras
Usina de Letras
53 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60247 )

Cartas ( 21285)

Contos (13380)

Cordel (10346)

Cronicas (22255)

Discursos (3185)

Ensaios - (9662)

Erótico (13517)

Frases (47992)

Humor (19476)

Infantil (4776)

Infanto Juvenil (4119)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139151)

Redação (3095)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5762)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Aqui jaz uma escola -- 13/05/2022 - 09:29 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Aqui jaz uma escola

Por Félix Maier
 
Em Águas Claras, DF, havia um terreno destinado originalmente para construção de uma escola pública. No entanto, a ganância de empresários e do governo destinaram o espaço para construção de três torres de apartamentos residenciais.
Ganância dos empresários, que vão lucrar milhões de reais com a venda dos apartamentos.
Ganância do governo, que irá faturar milhões de reais com ITBI e registro de imóveis, e todos os anos irá faturar milhões de reais na cobrança de IPTU.
Enquanto isso, o bairro de mais de 161 mil habitantes (sendo 52,2% do sexo feminino) não tem hospital público, nem postos de saúde públicos, nem creches públicas, nem escolas públicas. O povo mais humilde que se dane!
O governo trata os habitantes de Águas Claras como marajás, como se aqui não houvesse pessoas morando em kits apertadas, utilizando ônibus e metrô superlotados, dando um duro danado para poder pagar o aluguel. E, se precisarem de atendimento médico público para si ou para seus familiares, têm que se dirigir a Taguatinga ou Guará, locais mais próximos. O mesmo se pode dizer sobre escolas públicas, que não existem por aqui.
Da mesma forma, o governo não se sensibiliza com os milhares de trabalhadores que todos os dias chegam a Águas Claras, para trabalhar no comércio ou nos condomînios, como porteiros e pessoal da limpeza, operários da construção civil, além dos entregadores de comida e os que fazem reparos domésticos e comerciais. Esse pessoal também não tem opção de atendimento médico ou escolar no bairro, para si e para seus familiares, tendo que se deslocar para fora do bairro para eventual atendimento médico ou escolar.
Em Águas Claras há inúmeras universidades, como Católica, Unieuro, Uniplan, UniCEUB, além de colégios de primeira linha (e de preços de primeiro mundo), como Leonardo da Vinci, La Salle, Galois, Sigma, Católica, Olimpo, Biângulo, Marista, Atual, Objetivo etc. Mas, quem pode pagar por faculdades e colégios tão caros? Obviamente, não é a população em geral, apenas uma pequena parcela, como ocorre em qualquer bairro do DF.
Da mesma forma, há um hospital privado construído recentemente, Hospital Águas Claras, assim como inúmeros centros clínicos. Porém, os preços são exorbitantes e só quem tem plano de saúde consegue usar esse tipo de serviço médico-hospitalar.
Infelizmente, a culpa maior é da própria população, que nada faz para pressionar o governo, para que mude essa situação calamitosa, única entre todos os bairros da Capital da República. Ninguém faz manifestações, ninguém queima pneus, nem bloqueia estradas, e tudo continua na mesma, em desfavor da população mais pobre.
Sr. Governador e Srs deputados distritais:
Até quando Águas Claras terá que esperar, para enfim se tornar uma cidade decente para todos os seus habitantes?
 
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui