Usina de Letras
Usina de Letras
24 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62472 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10469)
Erótico (13578)
Frases (50857)
Humor (20082)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140901)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->O Sol somente s escondeu -- 08/12/2003 - 21:19 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Veja antes:Trampolim

























Ela tenta nos levar,

por força da energia

e do amplo ribombar,

querendo a primazia,



e quase sempre consegue,

se presentes não estamos.;

e sua ação prossegue,

se ela mesma nos tornamos.



O pensamento padrão

gera elo vicioso

com a própria emoção,

instante dificultoso.



Havendo situação,

fato, ou com pessoa

que causou a emoção,

o pensamento entoa



sempre a mesma canção,

e que ela lhe ecoa,

recíproca energia

que entre ambos ressoa.



A perda da preensão

de quem somos realmente

é a grande emoção,

que das demais é semente.



Mais que medo, "sofrimento",

sentir-se abandonado,

faltando um complemento,

é sentir-se desligado.



E quanto mais nossas mentes

pretendem nos religar,

nascem novas descendentes

do "sofrimento" vulgar.



As emoções positivas,

o amor, a alegria,

são verdadeiras convivas

da graça que irradia



o Ser, quando a pessoa

interrompe o pensar

e paz profunda ressoa.;

não há voz pra escutar,



uma beleza sem par,

um cansaço ao extremo,

ou perigo a passar,

cedem ao amor supremo.



É somente um instante

de alegria intensa,

uma paz estonteante,

serenidade imensa,



um intervalo na mente,

que retoma o processo

do pensar freqüentemente,

incontrolável regresso.



Paz, alegria, amor,

não conseguem florescer.;

um costumeiro torpor

vem para os esconder.



Emoções eles não são,

estão no eu mais profundo,

e nossa maior missão

é buscar o contrafundo,



além do emocional.

Emoção desordem é,

um movimento banal

que empana nossa fé.



Estados profundos do Ser,

paz, amor e alegria

é que nos dão o poder

de gerar a energia



que não tem opositor

no nível em que opera,

pois seu grande propulsor

atrás da mente impera.



Emoções, por outro lado,

fazem parte do mental

processo descontrolado,

fluxo do bem e do mal.;



uma alegria falsa

é um prazer muito breve,

que com a tristeza valsa

e logo, logo prescreve.



O prazer não se mistura

com a alegria plena,

por ser externa figura

e parte da antecena



do ciclo alternativo

sofrimento e prazer:

um que é mal, recidivo,

outro, que não vai crescer.



Também, o amor fajuto

pode provocar prazer,

excitar por um minuto

e em ódio fenecer.



Amor que é verdadeiro

não permite sofrimento.;

alegria, por inteiro,

supera qualquer evento.





Antes de bem atingirmos

total iluminação,

é sempre bom conferirmos

o que faz religação.



Antes de nos libertarmos

do fluxo de pensamentos,

é preciso atentarmos

pra lampejantes momentos



de alegria singela,

de um amor verdadeiro

ou de paz, com descautela,

que nos pegam por inteiro.



São aspectos reais

do Ser, intensos e vivos,

que, em instantes fatais,

a mente faz inativos.



Ficamos impressionados,

desprovidos de ação,

como fôssemos roubados,

vítimas de ilusão.



Não houve perda, de fato.;

ilusão, também, não se deu:

da mente um aparato

surgiu e os escondeu.



Tal estado natural

a mente pode barrar,

mas, por ser original,

nunca pode acabar.



O Sol, se está coberto,

somente se escondeu,

e permanece aberto

em seu pleno apogeu.



Veja a seguir: Os dois lados do dindin





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui