Usina de Letras
Usina de Letras
35 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62472 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10468)
Erótico (13578)
Frases (50857)
Humor (20082)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140896)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Tristan (XXII) -- 10/01/2004 - 22:48 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Clic"ali===>>>Gottfried von Strassburg









(17100) Isso eu conheço bem, pois eu estive lá.

Segui também na selva

os pássaros e os animais da floresta,

o veado e o corço,

por muitas capoeiras,



(17105) e os cacei,

porém, desperdicei meu tempo,

pois nunca matei coisa alguma. 29

Meus esforços e penúrias

foram em vão.

(17110) Eu achei na caverna

a manivela e vi o trinco.

Visitei o cristal

de vez em quando.

Dancei muitas vezes saltando

(17115) pra dentro e pra fora.

Nunca, porém, abri mão disso.

Mas o chão em derredor,

que era de mármore também,

eu pisoteei tanto

17120 que, se não tivesse protegida sua cor verde,

a que mais o embeleza

e que nele se expande,

provavelmente, não se poderia perceber

vestígios do verdadeiro amor.

(17125) Também, saciei meus olhos

com os fortes raios brilhantes da parede.

Atentamente, meus olhares se fixaram

muitas vezes

na cúpula e na pedra angular da abóbada,



(17130) e meus olhos se nutriam

da jóia lá de cima,

tão estrelada e tão louvada.

As pequeninas janelas doadoras de sol

enviavam ao meu coração

seu intenso brilho.



(17135) Eu conheço esta gruta

desde o meu décimo primeiro ano de vida

e, não obstante, nunca estive em Cornwall.



A sólida união,

Tristão e sua amada,

(17140) teve na selva,

nas florestas e nos campos,

seus tempos de quietude e trabalho

agradavelmente preparados:

(17145) Mantiveram-se sempre

um ao lado do outro.

No orvalho da manhã

vagavam prazerosamente pelo prado,

onde as flores e a grama

(17150) pelo orvalho eram refrescadas.

O frescor do prado

servia-lhes, então, para descanso.

Ali, eles subiam e desciam,

e, enquanto dialogavam,

(17155) escutavam a doce

canção dos pássaros.

Então, davam uma volta

em torno da fria fonte,

e escutavam seu barulho,

17160, seu jorrar e seu fluir.

Lá, quando chegavam a um lugar plano,

eles sempre se assentavam para descansar.

Lá, para que escutassem seu sussurro,

eles observavam a correnteza

e se sentiam felizes com aquele cenário.



Veja mais===>>>>História da Literatura do Médio Alto Alemão







Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui