Usina de Letras
Usina de Letras
48 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62422 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22547)

Discursos (3240)

Ensaios - (10460)

Erótico (13578)

Frases (50822)

Humor (20078)

Infantil (5492)

Infanto Juvenil (4817)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1377)

Poesias (140877)

Redação (3322)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6241)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Quem ainda defende o Movimento Cívico-Militar de 1964? -- 28/03/2024 - 09:10 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

O golpe de Jango estava previsto para
ocorrer em 01/05/1964.
 
 
Quem ainda defende o Movimento Cívico-Militar de 1964?

 

Félix Maier

(Postado originalmente no Blog "Alerta Total", em 31/03/2021)

O Movimento Cívico-Militar de 1964 redundou num contragolpe que impediu a comunização do Brasil e evitou a instalação de guerrilhas comunistas, a exemplo das FARC e do ELN na Colômbia.

A mídia militante só fala em "golpe", quando na realidade ocorreu um “contragolpe” contra Jango e Brizola, que pretendiam fechar o Congresso Nacional e dar um golpe no dia 1 de maio de 1964 - Dia do Trabalho -, como consta em documentos encontrados com subversivos comunistas presos após o contragolpe. Desde 1961, Fidel Castro começou a enviar agentes e armas ao Brasil, oferecendo cursos de guerrilha a brasileiros comunistas, como Francisco Julião, líder das Ligas Camponesas, e comprando fazendas em vários Estados, para criação de focos de guerrilha.
 
O contragolpe militar, exigido por toda a sociedade em passeatas que levaram milhões de pessoas às ruas de todo o Brasil nas famosas Marchas da Família com Deus pela Liberdade, deveria ser desfechado no dia 3 ou 4 de abril de 1964. Mas, o general Olympio Mourão, junto com os generais Denys, Muricy e Guedes, e o comandante da PMMG, precipitou os acontecimentos no dia 31 de março de 1964, contrariando líderes militares como Castelo Branco, que tentou impedir a marcha de Minas Gerais para o Rio de Janeiro, por achar que seria um fracasso.
 
Depois, como a insurreição anticomunista não tinha mais volta, Castelo, Costa e Silva – que se autoproclamou Comandante Supremo da Revolução - e demais chefes militares proclamaram a Revolução Democrática, que foi vitoriosa em um dia apenas, depois de serem neutralizadas as ações dos comandos militares do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul, simpáticos a Jango, além da prisão de Miguel Arraes, em Recife, que tentou resistir com a ajuda da PMPE. Talvez devido a essa precipitação da marcha militar, os generais Mourão e Guedes tenham conhecido o ostracismo no governo dos generais-presidentes. Seria um ciúme dos revolucionários de última hora?
 
Na Colômbia, não criaram o AI-5, e 40% do seu território chegou a ficar sob comando das FARC, ocasionando o assassinato de mais de 260.000 pessoas em 60 anos.
 
Quantos mortos haveria no Brasil, com base nesses números, sabendo que a população colombiana em 1970 era de 21 milhões de pessoas, e a do Brasil, 90 milhões? Um milhão e duzentos mil mortos? Dois milhões de mortos?
 
Principalmente se Cuba e outros países comunistas mandassem tropas e armas para as "zonas liberadas" de Xambioá, Registro, Caparaó e outros focos guerrilheiros que seriam criados - como ocorreu em Angola -, e os militares não tivessem impedido essa desgraça que iria afetar não só o Brasil, mas todo o território latino-americano, num efeito dominó.
 
Resumo do resumo: não houve golpe, mas contragolpe. Essa é a verdade. A true history.
 
Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net (*)
 
Por Félix Maier
 
Félix Maier é oficial reformado do Exército.
 
Postado por Alerta Total às 02:59:00
 
(*) Alerta Total (www.alertatotal.net), blog do jornalista Jorge Serrão, está bloqueado pelo Google desde a campanha presidencial de 2022, quando o presidenciável JairBolsonaro e os jornalistas da Jovem Pan News não podiam se referir a Lula da Silva com 5 palavras "desrespeitosas", por ordem do TSE.
 
Eis o Pentateuco do TSE:

1. Ex-presidiário

2. Descondenado

3. Ladrão

4. Corrupto

5. Chefe de organização criminosa

 

Leia texto de Félix Maier sobre o assunto em 

https://felixmaier1950.blogspot.com/2022/11/o-pentateuco-do-tse-cinco-palavras.html

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui