Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->SEM DIREITO DE VIVER -- 16/09/2005 - 09:21 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
SEM DIREITO DE VIVER

Eu acabei de chegar,
Aqui estou entre vocês,
Muito tenho a lhes dizer
Com a idade de um mês:
O meu nome é aborto,
Já estou nascendo morto,
Para o céu volto outra vez.

Eterno eu sou, talvez
Do nascente ao sol se pôr;
Entre sabiá e canário
Escolhi ser beija-flor
Que não cantando encanta
Num vôo livre e espanta
Todo e qualquer dissabor.

Desavenças no amor,
Brigas de casais ciumentos,
Quem é que apaziguava
Os corações em tormentos,
Senão eu de cara-lisa,
Não deixando que a brisa
Virasse um pé de ventos?!

Fui em todos os momentos
Cupido dos namorados
No escuro da paixão,
Quando lhes dava agrados;
Meu bico neles cravava
E desse modo os deixava
Amantes e apaixonados.

Alguns momentos passados
Vem-lhes o arrependimento:
Ela a reclamar a ele
Fazendo triste lamento;
Ele lhe dá uma resposta
Do jeito que ela não gosta
E o céu fica cinzento.

Quem logo marca o tento
É quase um vencedor,
Só que o jogo continua
Entre o espinho e a flor,
Esta exala seu perfume,
Aquele sente o ciúme
Queimando-lhe com ardor.

A Coruja e o Condor
Se encontram na penumbra
No alvorecer do berço,
Ou ao entardecer da tumba;
Quem de manhã veio à luz
Chega com a sua cruz
À tarde na catacumba.

Ao som de uma zabumba
Durante o dia se dança,
Do nascer ao pôr do sol
E só à noite descansa,
Jovem envelhece no instante
E se transforma num infante,
Voltando a ser criança.

Perco-me nessa lembrança
E até esqueço de mim,
Não sei qual foi meu começo
Nem quando eu terei fim;
Pergunto a toda hora:
Onde me encontro agora,
Por que a este mundo eu vim?

Eu que sempre falei sim,
Acho que vou dizer não,
Dou adeus sem ver o berço,
Sendo já um ancião;
Despeço-me dos amigos,
Perdão peço aos inimigos
E me vou sem um caixão.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benedito.costa@previdencia.gov.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1009 vezesFale com o autor