Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A DINÂMICA DA VIDA -- 24/09/2005 - 10:48 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
A DINÂMICA DA VIDA

Vi uma formiga
Manquitolando
Porém levando
Carga antiga
Sem ter barriga
Em si pesando
Mas soçobrando
Pela fadiga
Não teve amiga
Lhe ajudando.

Só formigando
Pareceu ela
Sem choro e vela
Muito sonhando
Saiu voando
Pois asas tinha
Ela sozinha
Sem companheiro
Do formigueiro
Era rainha.

Ia e vinha
Nos céus o vento
Triste lamento
Ninguém detinha
Duma avezinha
Presa em gaiola
Pedindo esmola
Cantarolando
E invejando
O tatu-bola.

Mui cantarola
Cantou o galo
Quando o cavalo
Belo e gabola
Firmou a sola
E empinou-se
Dando seu coice
Em vão no ar
E o rio no mar
Perdeu seu doce.

Chuva não trouxe
Uma resposta
Para quem gosta
Do agridoce
Briga de foice
O elefante
Não leva adiante
Cobra inimiga
Se empertiga
Beligerante.

É um errante
O boi de carro
Puxa no barro
Peso estafante
Leva pujante
Sozinho o fardo
E esse bardo
Que aparece
Se compadece
Desse bastardo.

Lanço um dardo
E acerto em cheio
Bem lá no meio
De um brocardo
Sou felizardo
E esqueço tudo
Fico sisudo
Ouço a cantiga
Não quero intriga
Porém me iludo.

Não estou mudo
Falo ainda
Que logo finda
O mal graúdo
Fica desnudo
O forte touro
E perde o couro
O boi chifrudo
Por ser carnudo
No matadouro.

Tolo tem ouro
No atoleiro
E o dinheiro
É desaforo
Para o mouro
Que tem Arem
Aqui e além
Com fé no Alá
Cristo está
Presente. Amém.

Vai e não vem
Amor traiçoeiro
Só o verdadeiro
A mim convém
Perdi alguém
Vivo tão só
Tal qual um Jó
Que solitário
Tem seu erário
De cinza e pó.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
bnedito.costa@previdencia.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1241 vezesFale com o autor