Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
116 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->CASAMENTO GAÚCHO -- 26/10/2005 - 13:15 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
CASAMENTO GAÚCHO

O casamento gaúcho
É belo barbaridade,
Seja onde quer que for,
No rincão ou na cidade,
O baile é no galpão,
Ao som de gaita e violão
E comilança à vontade.

Meu casório, na verdade,
Foi um pouco diferente,
Se bem que não sou gaúcho,
Mas gosto daquela gente;
Embora a longa distância,
Conheci lá numa estância
Quem me prendeu de repente.

Eu tive que simplesmente
Botar a mão na garrucha,
Encher os bolsos de balas
Com um reforço de bucha;
De noite fui à fazenda
Namorar a bela prenda
Parecida com a Xuxa.

A linda loira gaúcha
Eu roubei de madrugada,
Montou em minha garupa
Saímos cortando estrada,
Chegamos numa capela
Lá beijei a boca dela,
Depois descemos a escada.

O pai dela com a espada
Marchou atrás de nós dois
Com os capangas comprados
Pelo feijão com arroz;
Eu e ela percebemos,
Um no outro o beijo demos,
Ficou tudo pra depois.

Pela estrada vinham bois,
Vacas e a bezerrada,
Davam coices e chifravam
Os barrancos da estrada;
Guapo tocava o berrante
E o gado seguia adiante
Numa marcha troteada.

Chegamos à encruzilhada,
A boiada vindo atrás,
Com a moça entrei na mata
Para pensar e ter paz;
Um pecado nós dois temos
Pois sobre a grama fizemos
O que na cama se faz.

Dizem que o Satanás
Vive tentando a gente,
Eu e ela prometemos
O amor reciprocamente:
Ninguém irá desfazer
Aquilo que Deus quiser
Para nós eternamente.

Eu guardo sempre na mente
Primeiro beijo que dei
Na linda prenda gaúcha,
Bela filha de um rei
Que jurou a minha morte,
Mas eu tive a melhor sorte,
Abraçando-a herdei.

Dei-lhe carinho e errei,
Bem por isso acredito
Que as mulheres são iguais
E não lhes importa o grito
De quem lhe jura amor,
Em qualquer lugar que for,
Seja Bento ou Benedito.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benedito.costa@previdencia.gov.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 3723 vezesFale com o autor