Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
35 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->MEU REENCONTRO -- 10/12/2005 - 22:51 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
MEU REENCONTRO

Não sei se devo falar
Aquilo que vou dizer
Aos irmãos deste meu lar,
No meu novo renascer.

Eu já cansei de sofrer,
Agora quero pensar
Que após muito eu viver
Com todos eu vou estar.

A conta que vou pagar
É alta e sei que devo
Algo mais acrescentar,
Tirar nada eu me atrevo.

O meu erro tem relevo
E contas quero prestar,
Não lego a sorte ao trevo,
Comigo vou me acertar.

Toda noite, ao me deitar,
Eu quero beijar meus filhos,
Pedindo a Deus os livrar
Dos mais tortuosos trilhos.

Caminhos têm estribilhos,
Eu presto contas comigo
Por ter tido descarrilhos,
Feito de mim inimigo.

Estou frente ao um amigo
Que não me acusa de nada
Sou devedor dele, eu digo,
E a dívida está perdoada.

Só, comigo, estou na estrada,
Que sigo sem nem saber
Aonde vou ter pousada,
Logo mais que escurecer.

Lá longe posso me ver
Faltando-me à compaixão,
Orgulhoso não quis ter
Nem dar a ninguém perdão.

Aquela vida de então
Longa e curta foi pra mim,
Do alto contemplo em vão
No mundo eu sendo ruim.

Aos erros dou adeus,sim,
Porque já não sou mais eu,
Procuro por onde eu vim
O tempo que se perdeu.

No mundo busquei-me eu
E não encontrei você;
Ninguém sequer respondeu
Se estou errado e por quê.

Quem escreve e não lê
Não sabe que a vida é lida
Do A B C até o Z,
Com a consciência doída.

É uma estrada só de ida,
Não é possível voltar,
Eis o caminho da vida:
Vai-se sem nem bem chegar.

Não se pode retornar,
Porém, sim, reconhecer
Que fez um irmão chorar
E um amigo sofrer.

Eu agora vou dizer
O que foi falado antes:
É sempre bom esquecer,
Perdoando os ignorantes.

Junto de meus semelhantes,
Eu procuro a verdade;
Vendo as estrelas distantes,
Nelas acho a divindade.

Eu sinto grande saudade
Da Eva, pois sou Adão;
Por ser falsa e ter maldade,
Deu-me a fruta da ilusão.

Feriu-se meu coração
Que o tempo irá curar,
Nova Eva um novo Adão
Por certo vai encontrar.

Deus está em todo lugar
E o verei na eternidade,
Onde está meu novo lar
Do qual eu sinto saudade.

Numa nova realidade,
Encontro-me com Jesus
Que me retira a maldade,
Essa carga que me impus.

Do alto um raio de luz
Vem a mim e se propaga,
Me aquece e me conduz
Até o Pai que me afaga.

Vejo que a terra se estraga,
Numa destruição sem volta,
Mas nova união se consagra,
Sem mais nenhuma revolta.

Tendo um anjo por escolta,
Do inferno escapo de vez,
Rompe o laço que me solta
E me acho entre vocês.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benedito.costa@previdencia.gov.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1099 vezesFale com o autor