Usina de Letras
Usina de Letras
53 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59666 )

Cartas ( 21255)

Contos (13325)

Cordel (10320)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9537)

Erótico (13486)

Frases (47215)

Humor (19420)

Infantil (4627)

Infanto Juvenil (3940)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138779)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5659)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->ORGANISMOS MODIFICADOS E O PRINCIPIO CONSTITUCIONAL..... -- 07/01/2000 - 18:58 (Antônio Souza Prudente) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS

E O PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA PRECAUÇÃO

(PRIMEIRA SENTENÇA JUDICIAL, NO MUNDO GLOBALIZADO,

A IMPOR ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL)



O Juízo da Sexta Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal proferiu sentença, com data de 10 de agosto de 1999, nos autos do Processo Cautelar nº 98.34.00.027681-8, ajuizado pelo Instituto de Defesa do Consumidor - IDEC, em litisconsórcio com a Associação Civil Greenpeace e o Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renová-veis - IBAMA contra a União Federal, a Monsanto do Brasil Ltda e a Monsoy Ltda, ordenando que as empresas promovidas apresentassem Estudo Prévio de Impacto Ambiental, na forma preconizada pelo art. 225, § 1º, IV, da Constituição Federal, mediante a formação de equipe multidisciplinar, competente e imparcial, pelo Poder Público, via IBAMA, observando-se os trâmites regulamentares da Resolução nº 001/96 - CONAMA, como condição indispensável para o plantio, em escala comercial, da soja transgênica (round up ready), no Brasil.

Ordenara, finalmente, a suspensão do cultivo, em escala comercial do referido produto, sem que sejam suficientemente esclarecidas, no curso da instrução processual, as questões técnicas suscitadas por pesquisadores de renome, a respeito das possíveis falhas apresentadas pela CNTBio em relação ao exame do pedido de desregulamentação da soja round up ready, o que, certamente, ocorrerá, com a apresentação do Estudo Conclusivo de Impacto Ambiental, já referido. Enquanto se realiza tal Estudo, o plantio da soja transgênica será restrito ao necessário, para realização de testes e do próprio EIA/RIMA, em regime monitorado e em área de contenção, delimitada e demarcada, com a proibição de serem comercializados os frutos obtidos com os aludidos testes, nas diversas fases que integram a feitura do EIA/RIMA.

O Juízo da sentença, que fora a primeira e única, nessa matéria, no mundo globalizado, entendeu, com base nos fundamentos, aqui, expostos, que o Poder Público não cumpriu a ordem constitucional, no caso em exame, quanto à exigência de Estudo Prévio de Impacto Ambiental, para liberação do plantio, com fins comerciais, da soja transgênica (Round up ready).

Apresentou-se o Poder Público, nesse contexto, em posição assumida de interesses privados, com um simples "parecer técnico" da CTNBio, visando atender ao pleito monopolista e ganancioso da MONSANTO DO BRASIL LTDA e de suas subsidiárias, sem atentar para a gravidade do princípio da prevenção, garantidor do direito fundamental de todos ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, como bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida.

Por isso que, na aludida sentença, restou-lhe a imposição judicial, em nome de toda a sociedade globalizada, do dever constitucional de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações (CF, art. 225, caput), sem as interferências do abuso do poder econômico, dominador de mercados, repudiadas pela Constituição (CF, art. 173, § 4º).

Brasília (DF), em 11 de outubro de 1999.



Antônio Souza Prudente

Juiz Federal e Professor Universitário
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui