Usina de Letras
Usina de Letras
22 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50861)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140904)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->É PROIBIDO MORRER -- 25/08/2006 - 14:05 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Um personagem de novela
Pra inaugurar um cemitério
Vivia a procurar defunto
Em quase todo hemisfério
Como não encontrava nenhum
Fez um grande despaupério

Odorico Paraguaçu
Da cidade era o prefeito
Ele queria arranjar
Defunto de qualquer jeito
No interior de São Paulo
Morrer é um desrespeito.

Numa certa cidadezinha,
De nome Biritiba-Mirim
faltou vaga no cemitério
a coisa tava ruim
não tinha nem onde enterrar
até mesmo um guaxinim

O cemitério lotado
precisa de ampliação
o Ibama não autoriza
é área de proteção
desta forma o prefeito
não teve outra solução.

Depois de muito lutar
E até mandar um emissário,
Com dados debaixo do braço
Com grande e extenso glossário,
Mesmo assim as autoridades
Acharam desnecessário

Nele o prefeito fala
Da falta de sensibilidade
Do pessoal do Ibama
Que a morte é fatalidade
Ninguém quer morrer mundo
Nem mesmo por vaidade.

Mesmo assim as autoridades
Não tomaram providência
Com população da cidade
Não tiveram complacência
E o coitado do prefeito
Não teve mais paciência.

Baixou então um decreto
Fazendo a proibição
Ninguém naquela cidade
Morrer não podia não
então ficou resolvida
A falta de ampliação

Assim em nosso Brasil
De um governo petista
Se alterou a natureza
Sem precisar cientista
E eu já penso em morar
naquela lugar futurista

O grande problema será
Sustentar todo esse povo
Porque não morre ninguém
E nasce menino novo
Também vai faltar espaço
Vai ser um grande um estorvo.

Henrique César Pinheiro
Agosto de 2006.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 987 vezesFale com o autor