Usina de Letras
Usina de Letras
44 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60345 )

Cartas ( 21288)

Contos (13386)

Cordel (10358)

Cronicas (22276)

Discursos (3193)

Ensaios - (9712)

Erótico (13520)

Frases (48231)

Humor (19546)

Infantil (4823)

Infanto Juvenil (4173)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139333)

Redação (3115)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5807)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->A ÚLTIMA LÁGRIMA DE AMOR VERTIDA! -- 24/09/2004 - 21:31 (adelay bonolo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




A ÚLTIMA LÁGRIMA DE AMOR VERTIDA!





Quando um dia estiver chegando ao fim(1),

Tez rugosa e cabelo encanecido,

Em que as lembranças de um tempo esquecido

Deitarão sorte sobre meu butim(2)...



Quando mesmo eu não me lembrar de mim,

Imerso num passado sem sentido,

De tantas queixas cheio, e corroído

Por solidão imensa... tão ruim...



À mingua de um amor que de uma vez,

Para sempre, sem dó, roubou-me a vida...

Se lá quiseres, como nunca o fez,



Visitar-me, qual numa despedida,

Verás que choro, mas com altivez,

A última lágrima de amor vertida!





Adelay Bonolo







(1)Bocage — conhecido pelo distinto público infelizmente como autor de anedotas libidinosas, embora seja um dos maiores poetas da língua portuguesa — escreveu coisa semelhante só que com sublime verso, assim: “Lá quando em mim perder a humanidade...”



(2)O tempo acabou vencendo tudo e disputa meus despojos, o quase-nada que sobrou...

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui