Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
82 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->O MOTE DE DOMINGOS -- 12/12/2006 - 20:47 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
O MOTE DE DOMINGOS

Não trepa nem sai de cima
Esse Mote de Domingos
Dá um cansaço na rima
Não deixa sequer respingos.

Esse Mote de Domingos
É muito interessante
Não deixa sequer respingos
Diz a verdade bastante.

É muito interessante
Por ser Mote bem bolado
Diz a verdade bastante
No cordel sem pé quebrado.

Por ser Mote bem bolado
Para dizer a verdade
No cordel sem pé quebrado
Descreve a realidade.

Para dizer a verdade
Falando sinceramente
Descreve a realidade
Que molda a vida da gente.

Falando sinceramente
É a mentira do Cão
Que molda a vida da gente
Neste mundo de ilusão.

É a mentira do Cão
Vicejando à nossa volta
Neste mundo de ilusão
Que causa fúria e revolta.

Vicejando à nossa volta
Está o joio entre o trigo
Que causa fúria e revolta
Quando não morte e perigo.

Está o joio entre o trigo
Fazendo a confusão
Quando não morte e perigo
Entre amigo e irmão.

Fazendo a confusão
Tem gente que causa intriga
Entre amigo e irmão
Querendo ver uma briga.

Tem gente que causa intriga
Por gosto ou por maldade
Querendo ver uma briga
E o fim de uma amizade.

Por gosto ou por maldade
Alguém profere a sentença
E o fim de uma amizade
É a sua recompensa.

Alguém profere a sentença
Condenando-nos à morte
E a sua recompensa
É a nossa triste sorte.

Condenando-nos à morte
O algoz de nós tudo tira
É a nossa triste sorte
Só por crermos na mentira.

O algoz de nós tudo tira
Nunca deixa pra depois
Só por crermos na mentira
Que aplica em nós dois.

Nunca deixa pra depois
O lobo com seu bocado
Que aplica em nós dois
Em cordeiro disfarçado.

O lobo com seu bocado
Satisfaz o seu desejo
Em cordeiro disfarçado
Nos entrega com um beijo.

Satisfaz o seu desejo
Aquele que não aprende
Nos entrega com um beijo
Nem sequer se arrepende.

Aquele que não aprende
Com poesia bem rimada
Nem sequer se arrepende
Se acaso não diz nada.

Com poesia bem rimada
O poeta sempre anima
Se acaso não diz nada
Não trepa nem sai de cima.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
benegcosta@yahoo.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1031 vezesFale com o autor