Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
131 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56607 )
Cartas ( 21127)
Contos (12502)
Cordel (9854)
Crônicas (21849)
Discursos (3121)
Ensaios - (9995)
Erótico (13199)
Frases (41605)
Humor (17731)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2329)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137018)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4497)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Roteiro_de_Filme_ou_Novela-->ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 08 -- 31/08/2005 - 19:37 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 08


CLIQUE [AQUI] PARA LER O CAPÍTULO ANTERIOR


8


Eu não consegui pegar no sono apesar do cansaço. Na realidade, me sentia desconfortável deitado naquela areia. Lembro-me que sentia uma tremenda falta de minha cama macia e aconchegante. Aliás, deitar-se ao relento só me fez aumentar a sensação de abandono, a qual, com o aperto do coração, levou-me às lágrimas, as quais tratei de contê-las por me sentir envergonhado, uma vez que sempre ouvia meu pai dizer que homem não chora, que chorar é coisa de mulher. Assim, mantive os olhos fechados por algum tempo na tentativa de adormecer, mas o sono teimava em não vir, como se também ele houvesse me abandonado. Além do mais, havia a preocupação de que a Marcela não tomasse conta direito da fogueira e a deixasse se apagar, pois sabia como fora difícil acendê-la. Aliás, eu tentava não me preocupar com isso, mas não conseguia, pois sobre tais preocupações eu não tinha controle.
O silêncio era estarrecedor e quase total; ouvia-se todavia o continuo e irritante quebrar das ondas, o qual me incomodava de tal forma que me tirava qualquer possibilidade de pregar o olho. Talvez pelo cansaço, as meninas tinham adormecido logo depois de deitarem. Ao contrário do que acontecia comigo, a falta de um colchão e de uma coberta parece não ter feito diferença.
Por fim desisti de dormir. Resolvi levantar e ir até a água tirar a areia do corpo. Antes porém sentei ao lado da Marcela e ficamos conversando baixinho, para não acordar as outras duas.
-- E aí, como vão as coisas? – perguntei.
-- Horrível! – respondeu ela. – Não existe nada pior do que ficar sentada no escuro olhando para o nada. A gente tenta pensar em alguma coisa boa, mas o que vem à cabeça são só lembranças da gente naquele sufoco e saudade de casa.
-- É verdade! Com o tempo a gente acostuma.
-- Eu não quero me acostumar. Quero ir para casa. Quero a minha mãe, uma comida bem gostosa e minha cama, os meus bichinhos de estimação, minha escola, minhas amigas...
-- Eu também quero – concordei. – Só que talvez a gente tenha que ficar um pouco mais aqui.
-- Você acha que eles vão demorar a encontrar a gente? – quis saber ela.
-- Num sei. Quem sabe! Mas tenho medo de que isso possa acontecer – falei, com afetação. Sentia uma vontade incontrolável de me aproximar ainda mais dela e abraçá-la. Contudo, faltava-me a coragem. E mesmo ali, sem ninguém para nos surpreender, a timidez falava mais alto. -- Pode ser que eles pensem que a gente se afogou e desistam de nos procurar. Se isso acontecer, vamos passar um bom tempo nesse lugar, até que alguém apareça – acrescentei. Eu não fazia a menor ideia do que poderia acontecer; todavia, algo dentro de mim me dizia que nossa estada ali seria longa.
Marcela silenciou-se. Foi como se minha opinião a afetasse profundamente, como se eu lhe houvesse dado uma certeza e não apenas feito suposições. Eu por minha vez não sabia o que dizer, pois nem mesmo sabia o que pensar. Também me sentia confuso, não só pelo que nos pudesse acontecer, mas sim sentir uma força estranha se apossar de mim, uma força que me impelia a desejar aquela jovem de uma forma que jamais experimentara. Eu não conseguia esconder que a gente ali, praticamente as sós naquela noite escura, levava-me a ter pensamentos que não teria coragem de revelar a mim mesmo em voz alta.
Tanto é verdade que achei por bem sair de perto dela. Por isso fui dar um mergulho. Assim, quem sabe isso me livrasse daqueles pensamentos e fizesse com que o fluxo para a região dos quadris cedesse, fluxo esse que só tornavam meus pensamentos mais vergonhosos.
Voltei algum tempo depois. Pela posição da lua, ainda não estava no meu horário de tomar conta da fogueira. Mas como eu não conseguia dormir, disse-lhe para ir deitar-se que eu ficaria tomando conta da fogueira. Aliás, fiz isso por ela, para tirar-lhe aquele fardo.
-- Ainda bem. Porque eu estou morrendo de sono – disse Marcela.
Ela se deitou ao lado das outras duas e, ao que parece, adormeceu pouco depois.
A fogueira havia perdido força. E se seu não a alimentasse, em pouco tempo o fogo se extinguiria. Por isso, catei alguns galhos que estavam amontoados bem ao lado, quebrei-os em pequenos pedaços e os atirei ao fogo. Aos poucos, as chamas ganharam força.
Em seguida sentei onde a Marcela havia sentado anteriormente e fiquei olhando para a imensidão do mar, tal qual ela fizera antes. Talvez porque não houvesse mesmo para onde olhar, uma vez que atrás de nós a densa vegetação dava a impressão de algo assustador.
Eu quase não conseguia ver nada. Podia tão somente ver a espuma branca das ondas quebrando na praia. E, por falta do que fazer, fiquei por um bom tempo contando-as, até que perdi as contas. Súbito, comecei a pensar em tudo que nos havia acontecido desde a saída de casa. Pensei nos meus familiares, no desespero deles com o nosso desaparecimento; pensei nos familiares das meninas e na morte de meu tio, uma vez que eu estava convicto de que ele perecera. O que iríamos dizer para minha tia? Como ela tocaria a vida sem tio Jamil? E Ana Paula? Como reagiria ao descobrir que o pai estava morto, desparecido para sempre nas profundezas do oceano? Tudo isso ocupou meus pensamentos por um longo tempo, muitas vezes num ir e vir desconexo.
Mas, aos poucos, aqueles pensamentos foram dando lugar a outros. Olhei para as meninas que dormiam tranquilamente na areia bem ao lado da fogueira, e meus olhos percorrem aqueles três corpos seminus, cobertos tão somente pelo biquíni. E novamente pensamentos que eu preferia não pensar tomaram conta de mim. Olhei para Luciana, que dormia de bruços, e meus olhos foram parar-lhe nas nádegas seminuas. Não eram tão redondas quanto as de Marcela, mas era de uma brancura fascinante. E por algum momento esqueci minha paixão por Marcela e me vi arrastando-se sobre aquelas pernas longas e apoiando meus quadris naquelas nádegas. Mas foram só meus olhos focar em Marcela que o interesse por Luciana se dissipou. Olhei para aquelas nádegas grandes, para aquele dorso seminu e então o desejo for mais forte.
A seguir, virei o rosto em direção ao mar e tentei desviar os pensamentos, como se afastar os olhos daqueles corpos impedir-me-ia de não pensar neles. Lutei contra meus devaneios por alguns minutos, tentei usar minhas concepções, como se fosse uma arma, para derrotá-los, mas foi tudo em vão. Era como se dentro de mim tivesse alguém que dizia: “Olha! O que tem de mais? Não tem ninguém vendo. Você está sozinho e elas estão dormindo. Pode contemplar e desejar o quanto quiser. Não tem nada que te impeça”. Do outro lado porém alguém parecia recomendar: “Não, não olhe! Não é certo fazer isso enquanto elas estão dormindo. Você gostaria que ficassem olhando para você assim? E a Marcela? Você não está agindo corretamente com ela, desejando outra garota. Que coisa mais vergonhosa! Deus vai te castigar por isso!”. Isso porém não foi o bastante para que eu voltasse os olhos para suas nádegas e desejasse estar em cima delas.
Tais pensamentos me deixaram muito afetado. E tal qual a maioria dos meninos da minha idade, eu só conhecia um meio de me livrar daqueles pensamentos. Assim, abandonei a fogueira por alguns instantes, até porque não se apagaria tão cedo, afastei-me o suficiente para que alguma delas, caso acordasse, não visse o que estava fazendo, e bati a primeira de uma sequência de várias punhetas naquela ilha.



ÚLTIMOS TEXTOS PUBLICADOS

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 267Exibido 2960 vezesFale com o autor