Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
43 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138242)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A DONA DA CALCINHA NO VARAL -- 19/07/2003 - 17:57 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. A DONA DA CALCINHA NO VARAL

Depois que o Manezinho
Contou para a rapaziada
Que uma cacinha ele viu
No varal dependurada,
Muita vontade eu tinha
De ver também a calcinha
E saí na disparada.

Cem quilômetros de estrada
Numa hora eu percorri,
Achei que valia a pena
Por isso não desisti
E, enquanto eu dirigia,
A calcinha parecia
Coisa que eu nunca vi.

Excitado eu me senti
Vagando em pensamento
E a calcinha no varal
Balançava com o vento,
Corria mais, sem parar,
Para logo desfrutar
De um prazeroso momento.

Achava ser um portento
Com a sorte que eu tinha,
Tão empolgado eu estava
Que um pensamento me vinha:
"Vou chegar na hora exata
Quando aquela bela gata
For lá tirar a calcinha".

Ao chegar junto à casinha
Um cachorro já latiu,
No varal vi a calcinha
E meu corpo reagiu,
Mas uma velha encurvada
Apareceu na sacada,
Olhou pra mim e sorriu.

Quando a boca ela abriu,
Era tal como gamela,
Nem um só dente havia,
Pude ver a sua goela;
Parecendo uma bruxa
Com aquela boca murcha,
Falou que um dia foi bela.

- Esta calcinha revela
O quanto eu era bonita,
A prova está em você
Que por ela se agita
E isso é o que me conforta,
Pois com esta boca torta
Eu fico um pouco esquisita.

Naquela hora bendita
De calafrio eu suei
E a velha prosseguiu:
- O que você sente eu sei,
No mundo as coisas movem,
Um dia também fui jovem,
Da vida esta é a lei.

Esta calcinha eu comprei
No meu tempo de estudante,
Uma só vez a usei
Quando eu fui debutante,
Serve-me hoje para olhar
E saudosa recordar
A glória daquele instante.

Vejam como foi frustrante
Saber que entrei de gaiato,
Voltei triste para casa,
Mas não lamento o fato,
Pois lembrei desta verdade:
A grande curiosidade
Um dia matou o gato.

BENEDITO GENEROSO DA COSTA

Relativo a este cordel leia também:
A calcinha no varau (Manezinho de Icó)
A véia te enganou Benedito...(Manezinho de Icó)
RESPOSTA UNA PARA ALMIR E MANEZINHO (Benedito Generoso da Costa)
a verdadeira estória da calcinha do varal...( Françua Pécori Massa)
MAIS UMA VEZ A CALCINHA (João Afonso Carvalho Ferreira)



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 1057 vezesFale com o autor