Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
128 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56836 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22154)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18384)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138035)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4771)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->UM PERIGO CHAMADO BOLSONARO -- 10/08/2018 - 10:05 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Eu já postei um artigo aqui na Usina de Letras, onde faço uma comparação entre a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) e a de Fernando Collor (PRN) em 1989, mostrando a grande semelhança entre ambas. É claro que Bolsonaro não é Collor. E embora as semelhanças entre as candidaturas sejam bem maiores do que as diferenças, não quer dizer que, se eleito, o candidato do PSL vá ser um desastre e afundar ainda o país na crise como fez Collor (essa é outra semelhança: Collor foi eleito quando o país passava por uma grande crise). Mas eu me pergunto como um presidente, filiado a um partido nanico (Collor também era), sem expressão e representatividade vai conseguir governar este país. Assim como Dilma, ele é uma pessoa de temperamento difícil (outra semelhança com Collor) embora com um pouco mais de experiência política que a petista. Assim como Collor, ele se apresenta com o salvador da pátria, como se dependesse apenas de si e de seus apoiadores para governar. Infelizmente o Brasil é um país com um sistema representativo complexo, onde só é possível governar através de coalização, já que a fragmentação partidária é muito grande, e de uma grande harmonia entre os poderes Executivo e Legislativo. E não vejo em Bolsonaro, como na maioria dos demais candidatos, alguém capaz de liderar uma coalização capaz de tornar este país governável. Lula, apesar de todo o seu carisma e experiência política, só conseguiu isso através da compra de apoio político com o dinheiro desviado da Petrobras; Dilma, que já não contava mais com esses recursos no seu segundo mandato, acabou sendo afastada por um processo de impeachment, quando perdeu o apoio do Congresso assim como Collor em 1992. Bolsonaro, mais que Alckmin (PSDB), Marina (REDE), Ciro (PDT) e o candidato do PT, será refém do Congresso e terá de fazer concessões inimagináveis para se manter no cargo. É uma ilusão muito grande, principalmente de seus apoiadores, achar que ele cumprirá as promessas de campanha. Não por vontade própria, mas porque quem governa de fato este país é o Congresso. E é aí que está o grande perigo: um confronto entre o Parlamento e o Poder Executivo. Todas as vezes que isso aconteceu o presidente foi destituído, como ocorreu com Collor e Dilma e João Goulart. E quando o presidente não conseguiu formar a maioria mas também não optou pelo confronto, virou um fantoche na presidência, como Sarney nos anos 80 e Temer atualmente. Mas não vejo o candidato do PSL como alguém capaz de se conformar com o papel decorativo. Não é do seu feitio. Ele partirá para o confronto. Ele não terá outra saída. Se o tornar refém do Congresso, será um Temer ainda mais impopular (se é que alguém consegue ser ainda mais impopular que Temer). E o que ele fará? Comprar apoio como fez o Lula(PT)? Esse esquema não funciona mais; nem algo parecido. E também não faz parte do estilo Bolsonaro de governar. Então só lhe resta uma saída. Fechar o Congresso e instalar uma ditadura com total suporte das forças armadas. Não estou dizendo que ele vá fazer isso, mas há esta possibilidade. Nenhum outro candidato tentaria isso, mas ele sim. E por quê? Porque é um militar com grande trâmite nas forças armadas, seu vice é um coronel da reserva e suas ideias são em grande maioria as mesmas que se ouvem nos quartéis. Com o apoio dos setores mais conservadores da sociedade não será difícil encontrar um bode expiatório para fechar o Congresso, aliás como ocorreu em 1964. Talvez isso seja exagero de minha parte, mas como democrata e defensor de uma democracia plena, não posso deixar de expressar minhas inquietações, embora acho difícil que ele venha a ser eleito. Bolsonaro teria de vencer batalha do processo eleitoral, na qual ele será massacrado no rádio e na TV sem ter a oportunidade de se defender. Mas como neste país tudo é possível, não se pode descartar nenhuma hipótese. Inclusive dele ser eleito presidente.




ENCONTRE-ME TAMBÉM:

NO RECANTO DAS LETRAS

NO FACEBOOK

TWITTER

NO MEU BLOG







LEIA OUTROS ARTIGOS DE MINHA AUTORIA:

A GREVE DOS CAMINHONEIROS

O FAVORITO PARA VENCER EM OUTUBRO

O DEJAVU DAS ELEIÇÕES DE 2018

MESMO PRESO, LULA É O FAVORITO

OS ATAQUES À CARAVANA DO LULA

HADDAD: UMA OPÇÃO MELHOR QUE LULA

O CAMINHO ERRADO DE LULA

O QUE ESPERAR DE 2018

O EMBLEMÁTICO CENÁRIO PARA 2018

FAÇA SUA PARTE

A HORA QUE CUNHA ABRIR A BOCA

A DERROCADA DO PT

O OCASO DO GOVERNO DILMA

A MALDIÇÃO DO GOVERNO TEMER

JÁ VIMOS ESSE FILME

CAI A MÁSCARA DO IMPEACHMENT"

VEM AÍ UM PERÍODO DE TREVAS"

O SALVADOR DA PÁTRIA"

DILMA CAIU PELOS PRÓPRIOS ERROS

O QUE A HISTÓRIA RESERVARÁ À DILMA

O PORQUÊ DE DILMA ESTÁ PERDENDO O MANDATO

MENOS GENTE QUER O IMPEACHMENT

MAIS UMA VEZ O PMDB AJUDA DILMA

É POR DEBAIXO DOS PANOS

PEDRO CORREA E O FUTURO DA LAVA A JATO

O EMBATE ENTRE LULA E SÉRGIO MOURO

TÁ NA HORA DE DESLIGAR OS APARELHOS

A LAVA A JATO CHEGA AO LULA

DELCÍDIO E O FIM DO GOVERNO DILMA

É DINHEIRO PÚBLICO DESPERDIÇADO...





NÃO DEIXE DE LER: 30 TEXTOS MAIS LIDOS DA USINA NOS ÚLTIMOS 6 MESES
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui