Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55947 )
Cartas ( 21109)
Contos (12417)
Cordel (9757)
Crônicas (21611)
Discursos (3119)
Ensaios - (9947)
Erótico (13172)
Frases (41021)
Humor (17617)
Infantil (3597)
Infanto Juvenil (2322)
Letras de Música (5434)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136496)
Redação (2884)
Roteiro de Filme ou Novela (1047)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4431)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Roteiro_de_Filme_ou_Novela-->ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 22 -- 06/06/2006 - 15:45 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 22


CLIQUE [AQUI] PARA LER O CAPÍTULO ANTERIOR


22


Cheguei a dar alguns passos em direção à água, mas mudei de idéia quando pensei em Marcela. “Não posso deixar que Ana Paula conte para ela. Se ela fizer isso, nunca mais a Marcela vai querer saber de mim...”. Então virei em direção a minha prima. Ela corria em direção à cabana, mas sem velocidade, como se não quisesse cansar. “Preciso alcançar ela antes de chegar lá”, continuei a pensar, enquanto corria com todas as forças para alcançá-la. “Vou falar para ela que se disser alguma coisa, vou bater nela. Isso deve fazer ela mudar de idéia”.
Não foi difícil alcançá-la. E ao me aproximar, agarrei em seu braço e falei:
-- Espera aí, Ana Paula.
Paramos.
-- O que você quer? Você não vai me impedir de contar para ela o que você e aquela cadela estavam fazendo – disse ela fora de si, quase gritando.
-- Pare de gritar! Não sou surdo. – Dei-lhe uma sacudidela pelo braço e virei a fiz virar de frente para mim. – Você não vai dizer coisa nenhuma. Vai ficar caladinha, como se não tivesse acontecido nada.
-- Não vou e não vou – respondeu ela, demonstrando estar ainda com mais raiva.
“Vou dar uns tapas nela é já”, pensei, quando vi que ela parecia decidida a dar com a língua nos dentes. O problema era que se batesse nela ali, Marcela poderia aparecer na porta da cabana e nos ver. E então ia correr em nossa direção e se intrometer na nossa discussão; ia querer saber o motivo da briga e certamente Ana Paula contaria a verdade. Foi então que tive a idéia de puxá-la para o mato e tentar me entender com ela ali.
-- Vem cá – falei, puxando-a.
Ela tentou se soltar, todavia eu era mais forte; então tentou resistir. Ao fazer isso quase perdeu o equilíbrio e caiu na areia.
-- Me solta!
Não lhe dei ouvidos.
-- Escuta aqui! Você vai ficar de bico fechado. Entendeu? Senão vou te quebrar todinha.
Em tom de desafio ela ainda teve coragem de dizer:
-- Você não tem coragem de fazer isso!
Ao ouvi-la proferir aquelas palavras, minha mão foi parar em seu rosto, provocando um estalo. Acertei-a com tanta força que seu rosto virou para o lado. No mesmo instante ela levou a mão onde eu havia batido. Enquanto isso, seus olhos encheram-se de lágrimas. Fora de controle e tomada pela raiva, Ana Paula, ergueu os braços e partiu para cima de mim, tentando me acertar os punhos fechados. Num movimento rápido, segurei em seus braços antes que me atingissem. E imediatamente empurrei-a com violência para trás. Ela perdeu o equilibrou e caiu no chão, sobre folhas secas.
Também fora de controle, cai por cima dela e a imobilizei pelos braços, mais ou menos como Luciana havia feito comigo pouco antes.
Minha prima tentou se soltar, mas foi em vão. Eu era maior e mais forte que ela. Por fim ela ainda tentou me acertar com os pés, mas também não conseguiu. Deixei que ela se cansasse. Aliás, ficamos os dois arfando, embora ela demonstrasse mais cansaço. Então ela me encarou, como se não admitisse a derrota – pelo menos foi a impressão que tive. – Aquele olhar me enervou ainda mais. Soltei o braço que estava preso com a minha mão direita e dei-lhe outra bofetada na cara.
-- Ou você faz o que eu mando, ou você vai ver o que vou fazer contigo. E não adianta achar que alguém vai te ajudar porque não vai não. A única pessoa que poderia fazer alguma coisa seria a Marcela, mas ela não é páreo para mim. E a Luciana está do meu lado. Além do mais, se ela te pegar vai fazer muito pior do que eu. – falei com o intuito de assustá-la, de torná-la dependente de mim. -- Não vai ser só uns tapinhas que você vai levar, não. É capaz dela ainda te deixar toda machucada -- acrescentei. Ela não disse nada, só continuou a choramingar, dando-se por vencida. Nesse ínterim, desviei os olhos para seus pequeninos seios. “Será que eles são macios que nem os da Luciana? Vu apertar eles para ver... Não. Não posso fazer isso. Isso não está certo. Ela é minha prima.”, pensei em seguida. Assim, desviei o olhar e encarei-a novamente. – Você vai fazer o que estou mandando? – perguntei por fim.
Ana Paula, com os olhos vermelhos e derramando lágrimas, manteve-os nos meus por alguns instantes, como se pensasse na minha proposta, embora não lhe restasse alternativa. Depois de um minuto, ela balançou a cabeça em sinal de concordância.
-- Você vai me obedecer daqui para frente? – insisti. Ela tornou a menear a cabeça afirmativamente. Então acrescentei: -- Assim é melhor. É melhor você ficar do meu lado do que provocar uma briga entre a gente. Se isso acontecer, eu vou ter que agir com força. Caso contrário, você e Marcela vão acabar ficando sozinhas. Ou vocês acham que conseguem sobreviver nessa ilha sem mim? Vocês não são capazes passar nem uma noite – acrescente, tentando assustá-la ainda mais. – Não é verdade?
Ana Paula concordou mais uma vez.
Confesso que ao vê-la em meu poder, assim tão submissa, fui tomado pela sensação de que ela me pertencia, de que poderia fazer com ela o que bem entendesse. E foi justamente essa sensação de poder que me levou a desviar mais uma vez os olhos e contemplar aquele par de seios rosados, ainda pequenos. No meio das pernas algo se moveu, afetado por aquela visão. “Vou apertar eles para ver como são”, tornei a pensar. Então eu a soltei e deixei seus braços livres. Desencurvei o dorso e sentei sobre seus quadris. Estava excitado. “Vou ver se ela vai me obedecer”, pensei.
-- Quero apertar eles – falei.
Esperei que ela fosse protestar e dizer “não”. E já estava pronto a responder-lhe que prometera me obedecer, portanto teria que me deixar pegar em seus peitos, mas ela simplesmente me olhou e não disse nada.
Foi o que fiz.
Pareciam mais rijos que os seios da Luciana. Lembro-me de sentir uma coisa dura ao apertá-los. Inclusive achei aquilo estranho, no entanto, não toquei no assunto. Só muito depois fiquei sabendo que aquilo era normal, só que nela era mais perceptível por ainda estarem em formação.
Eu poderia ter parado ali. Ela já tinha dado mostras de estar em meu poder, entretanto, eu era um garoto que não conseguia controlar seus impulsos, além de ser dotado de uma curiosidade fora do comum. Só não sei se foi a curiosidade, os impulsos ou os dois que me levaram a aproximar os lábios e chupar aqueles peitinhos. E para fazer isso, eu tive que me curvar novamente e deitar sobre minha prima.
Num primeiro momento ela não fez objeção, mas quando sentiu meus dentes mordiscar levemente um dos mamilos e meus quadris fazer pressão nos seus, ela levou a mão aos meus ombros e empurrou-me dizendo:
-- É melhor você parar. Senão alguém pode ver a gente.
Foi aí que voltei a si. Senti uma enorme vergonha do que acabara de fazer e sai de cima dela imediatamente. Ana Paula se levantou e disse que ia voltar para a cabana.
-- Tá bom – concordei. – Vou me lavar e tirar essa areia. Depois vou ver se encontro uma vara para tentar pegar uns peixes pra gente comer.
Nisso, eu também me levantei.
-- É uma boa idéia – assentiu ela, já mais calma, enxugando os olhos com as costas da mão. – Não agüento mais ficar comendo frutas – acrescentou ao se afastar.
Fui até onde Luciana se encontrava. Ela ainda permanecia dentro d’água, como se me aguardasse para saber o que havia resolvido com minha prima. No entanto, eu não prestava atenção nela. Caminhava de forma mecânica por estar absorto em pensamentos, tomado pela vergonha, arrependido de ter tocado os seios de minha prima e de tê-la desejado. “Meu deus! Como é que vou encarar ela agora?”, foi o que me perguntei ao entrar no mar.



ÚLTIMOS TEXTOS PUBLICADOS

NO LEITO, SOU TEU SERVO MAIS FIEL
GRANDES PENSAMENTOS (43)
FRASES DE AMOR(124)
CARTAS DE AMOR
QUANDO O AMOR NÃO ACABA - Capítulo XIX
O QUE VOCÊ REPRESENTA NA MINHA VIDA?
FRASES QUE FICARAM PARA SEMPRE(65)
O QUE FAZER CONTRA O CRIME ORGANIZADO?
O METIDO A GARANHÃO (Conto)
QUADRINHA DE AMOR (11)
275 FRASES DE AMOR


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 265Exibido 3346 vezesFale com o autor