Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
106 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56597 )
Cartas ( 21127)
Contos (12498)
Cordel (9854)
Crônicas (21848)
Discursos (3121)
Ensaios - (9994)
Erótico (13199)
Frases (41604)
Humor (17726)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Roteiro_de_Filme_ou_Novela-->ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 34 -- 02/06/2008 - 19:16 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 34


CLIQUE [AQUI] PARA LER O CAPÍTULO ANTERIOR


34


O quinto dia passou de forma tranqüila, sem incidentes. Talvez porque nos ocupamos em melhorar a cabana no período da manhã e da tarde. Estava ruim demais dormir sobre a areia, sem algo que nos lembrasse nossas camas macia. Ana Paula e Luciana deram uma trégua e houve um momento até, quando ajudavam a amarrar os troncos de madeira para fazer nossas camas, que trocaram palavas amistosas. Aliás, ao vê-las conversando sem insultos, sem ameaças, como se fossem grandes amigas fiquei emocionado e meus olhos lacrimejaram, o coração ficou apertado e uma sensação de prazer tomou conta. Então pensei: “Por que não tentam ficar amigas. Não é melhor assim? Olha como parecem felizes. As coisas seriam bem mais fáceis. A gente não sabe quando vai sair daqui. É melhor que não briguem mais, que não fiquem agindo como crianças mimadas”.
O único momento tenso, que quase estragou aquele dia, foi quando me aproximei da Marcela e, enquanto ela segurava um pedaço de pau e eu o prendia a bambus com cipó, trocando palavras de forma íntima, cheguei a fazer-lhe uma carícia no rosto com a desculpa de tirar um fiapo de capim. Não imaginei que Luciana estava tão próxima. E quando nossos olhos se cruzaram, seus olhos pareciam faiscar. Ela me olhou como quem fuzila o inimigo. Corei-me e por alguns segundos fiquei paralisado. Ela não disse nada, mas também nem precisava.
-- Vi muito bem o que você estava fazendo com ela – disse Luciana mais tarde, quando havíamos dado o trabalho por encerrado e eu me afastara para apanhar frutas. Embora tenha dito que as apanharia sozinho, Luciana acabou me seguindo.
-- Eu não estava fazendo nada demais – declarei.
-- Não esqueceu do que disse ontem não, né? -- tornou ela, andando ao meu lado.
-- Não.
-- É bom mesmo!
Aquele tom ameaçador acabou por me irritar. Por um momento senti vontade de partir para cima dela e esmurrá-la até minha raiva passar e mostrar-lhe quem é que mandava naquela ilha; mas não tive coragem. Preferi baixar a cabeça e engolir aquele sentimento. Ah, mas se ela estivesse continuado com suas ameaças, se tivesse continuado a falar-me na orelha, provavelmente eu não teria agüentado; mas ela ficou muda por algum tempo, e quando voltou a falar, foi para mostrar-me duas goiabas amarelas no topo da goiabeira.
-- Não vai ser fácil apanhar elas – declarei. -- Essa vara não vai alcançar.
-- Vai sim. Eu te ajudo a subir no pé.
Consegui apanhar não só aquelas duas frutas amarelas, como mais três escondidas entre as folhas. Isso no entanto não era suficiente para matar nossa fome. Precisávamos encontrar outras frutas. Nas bananeiras ali próximas não havia mais bananas maduras; havia sim alguns cachos, mas ainda não estavam na época de serem colhidas.
Talvez houvesse outro bananal um pouco mais adiante; afinal, bananeiras é uma planta que cresce com facilidade, bastando para isso um lugar úmido, como aquele onde a água corria com abundância. Sugeri à Luciana que fôssemos procurar.
-- Vamos. Isso aqui – mostrou-me as goiabas – não mata nem a nossa fome.
-- É mas se a gente não encontrar mais nada, vamos ter que dividir.
-- Eu como sou a maior, fico com a maior; tua priminha fica com essa bem pequenininha aqui ó.
Não gostei da forma com que ela se referiu à Ana Paula. Ela não tinha o direito de destratar minha prima assim.
-- Por que você implica tanto com a Ana Paula?
-- É ela quem implica comigo. É uma pirralha, uma fedê-lha mimada, isso sim. Mas comigo ela não vai se criar não. Se ela se meter comigo, vai levar em dobro.
-- Eu já disse: não quero briga entre vocês. A gente tem que tentar viver em harmonia até sermos resgatados.
-- Isso, se formos – atalhou.
-- Mesmo que desistam de procurar a gente, uma hora alguém vai aparecer aqui.
-- O problema é quando – afirmou, como se tivesse certeza de que ficaríamos um bom tempo naquele pedaço de terra desabitado, esquecido por Deus.
Andamos mais uns cem metros até avistarmos uma espécie de vala, onde cresciam bananeiras.
-- Ali – apontou Luciana.
Encontramos um cacho em que as bananas começavam a madurar. Ainda não estavam prontas para serem comidas, todavia, de comum acordo, achamos por bem apanhá-las e levar para a cabana. Aliás, foi Luciana quem nos lembou que as fruas fora do pé amadureciam mais rápido.
-- E agora? O que vamos fazer? -- perguntou ela, quando voltávamos.
-- Eu só vejo uma saída: pescar um ou dois peixes.
-- Então a gente precisa voltar rápido, porque o sol já está se pondo. Quer que eu te ajude a pescar?
-- Não, não. É melhor eu ir sozinho; assim eu consigo me concentrar melhor. Além do mais, você pode fazer barulho e acabar espantando o peixe.
-- Ah, mas eu ia adorar ficar lá contigo – asseverou, pegando em minha mão feito uma namorada. Confesso que senti vontade de retirar a mão, de sair correndo e me afastar dela. Não era ela quem eu queria que estivesse ao meu lado, dizendo aquelas palavras, de uma forma tão meiga, tão cheia de carinhos.
E por um momento, meus pensamentos voaram até a cabana, até Marcela, e relembrei do momento em que ficamos lado a lado, amarrando o cipó, dando forma a uma cama que provavelmente seria ocupada por ela. E então veio a imagem de suas mãos delicadas, de seus seios redondos. Lucana tinha uns seios maiores, mais crescidos, mas os de Marcela tinham algo que me seduzia, que me faziam desejá-los; embora toda vez que pensava nisso, sentia uma sensação de estar cometendo um pecado, que entretanto não me impedia de continuar a pensar, a desejá-los.
-- Me dá um beijo – pediu Luciana.
-- Não, agora não. Precisamos voltar rápido, pois eu tenho que pegar pelo menos um peixe para a gente comer – esquivei.
-- Um beijo não vai demorar tanto assim – afirmou ela, puxando-me pelo braço. -- Aposto como se fosse a Marcela você não recusaria.
-- Não fale besteiras.
-- Pensa que não sei como você trata ela? Eu reparei nisso desde que vi vocês juntos na casa do teu tio. Você não tira os olhos dela, fala mole com ela, cheio de atenções. Mas pode tirar seu cavalinho da chuva, porque se eu pegar vocês de beijos e abraços, eu acabo com ela. E você não vai querer isso, vai?
Tal qual na noite anterior, senti uma sensação horrível. Não era só o medo e a impotência diante daquela mulher ameaçadora, esperta, que sabia ter-me sob seu controle. Talvez suas ameaças fossem apenas para me assustar, mas e se não fosse? E se num ataque de ciúmes ela realmente partisse para cima da Marcela?
-- Não – foi a resposta que dei.
-- Então me beija – insistiu.
Beijei-a. Foi um beijo frio, mecânico, sem emoção alguma. Também foi um beijo rápido, apenas um toque mais longo nos seus lábios.
-- Agora vamos – afirmei. E voltei a caminhar a passos largos em direção à cabana, onde Ana Paula e Marcela nos aguardavam.



LEIA TAMBÉM:
NÃO DEIXE DE SER CRIANÇA – Será publicado num livro didático pela Editora do Brasil de São Paulo.
SER ADOLESCENTE É(1)... - Foi usado num video produzido pela ONG Instituto Mamulengo Social de São José dos Campos - SP que trabalha com adolescentes.
É POR ISSO QUE TE AMO – Parte de texto foi usada numa campanha publicitária em Belo Horizonte.
O DIÁRIO DE ANA CARLA – Como o próprio título diz, é a versão da personagem Ana Carla da história A MENINA DO ÔNIBUS. Recebi um convite da Editora Soler de Belo Horizonte para publicá-lo em livro. A obra completa já está quase pronta. Aliás, estes dois textos me renderam até agora mais de 100 emails elogiosos.
APRENDA COM TEUS ERROS – Usado pela professora Isabela no colégio IPEI em João Pessoa -PB
ELA É MINHA VIDA – Gravada por "POLEIRO" em Portugal.
NÃO DEIXEM MORRER AS FLORES – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
EU NÃO NASCI COM ASAS – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 267Exibido 2298 vezesFale com o autor