Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
100 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56597 )
Cartas ( 21127)
Contos (12498)
Cordel (9854)
Crônicas (21848)
Discursos (3121)
Ensaios - (9994)
Erótico (13199)
Frases (41604)
Humor (17726)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4495)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Roteiro_de_Filme_ou_Novela-->ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 35 -- 16/07/2008 - 17:54 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 35


CLIQUE [AQUI] PARA LER O CAPÍTULO ANTERIOR


35


O meu destino dir-se-ia traçado. E o que me parecia uma oportunidade única para me fazer notar por Marcela, quando a convidei para o passeio de barco com o meu tio, acabou se revelando um verdadeiro desastre. E naquela ilha ainda vi uma nova chance de conquistá-la, de fazer com que pelo menos ela me desse uma chance; todavia, ao deixar que Luciana se intrometesse no meio da gente, pus tudo a perder. E mesmo que conseguíssemos sair daquele lugar num curtíssimo espaço de tempo, minhas chances eram quase nulas. Provavelmente aos olhos da outra, Luciana era dona do meu coração, conquistado rapidamente nos últimos cinco dias; eias a triste verdade! Aliás, se ainda me restava algo a fazer para reverter essa situação, deveria ser feita o mais breve possível, antes que tudo estivesse perdido para sempre. Mas o que fazer? Luciana exercia um poder sobre mim que eu não sabia como me desvincilhar. Dir-se-ia preso numa rede de pesca, arrastado por um grande navio pesqueiro.
E durante a noite não pensei em outra coisa a não ser nas palavras ameaçadoras de Luciana; palavras essas determinadas, claras como a luz do dia. Quase não dormi. E quando chegou a minha vez de tomar conta da fogueira, passei a maior parte do tempo sentado, com os olhos na imensidão do oceano, embora a luz do luar fosse fraca e pouco contribuía para que eu pudesse enxergar alguma coisa, perdido em divagações. Aliás, no vazio que meus olhos alcançavam, os pensamentos ganhavam força e profundidade, meditativos para dizer a verdade, pois não havia com o que se distrair. E nessas meditações, nessa profunda compenetração procurei desesperadamente uma saída, feito uma vítima que, ao cair na teia da aranha, vê o predador se aproximar cada vez mais; ou feito aquele que, após um terremoto, é soterrado num porão e vê a necessidade de encontrar a qualquer custo uma passagem para não sucumbir de fome e sede, pois ninguém sabe que está ali.
Mas onde estava a saída? Pensei em chegar na Luciana e, olhando-a bem no fundo dos olhos, dizer-lhe para me deixar em paz, para não se intrometer nos meus sentimentos, e não tentar impedir-me de buscar a felicidade ao lado de Marcela; contudo, eu sabia não ser capaz. Bastaria uma única palavra mais dura para eu me calar, abaixar a cabeça e deixar que ela voltasse a dar as cartas. E certamente suas ameaças seriam mais amedrontadoras, coroadas de uma perversidade capaz de fazer gelar a espinha do mais insensível dos homens.
Ah, como fiquei angustiado naqueles instantes! Lembro-me inclusive, num momento de profundo desespero, de pensar em aproveitar um segundo de distração quando estivéssemos as sós e esmagar-lhe a cabeça com uma pedra. A imagem da pedra descendo com toda a força sobre sua cabeça, de seu corpo arriando feito um prédio durante uma explosão formou-se no meu cérebro. Logo em seguida porém tais pensamentos me assustaram, provocando-me uma vertigem. O leitor há de se lembrar do temor do inferno, de como praticar atos que contrariam a moral cristã me horrorizavam e me deixavam imponente. Só em pensá-los já me era motivo de culpa, quanto mais praticá-los. Aquela ilha pouco a pouco ia consumindo tudo o que adquirimos de civilizado, contudo, em mim, a religiosidade parecia retardar esse processo como que uma capa protetora. Talvez, num momento de profundo desespero, até viesse a cometer um ato bárbaro como esse, uma vez que o ser humano nessas horas não passa de um simples animal, cujo instinto de sobrevivência fala mais alto.
A hora passou rápido. E quando olhei para o céu a fim de certificar se meu tempo de tomar conta da fogueira havia chegado ao fim, vi com espanto que pela posição das estrelas, este parecia ter findado há muito tempo. Levantei e fui chamar a minha prima para assumir o meu lugar e eu o seu. Embora houvesse feito uma série de melhorias na cabana, as “camas” continuavam insuficiente para nos todos; aliás, isso não era problema, uma vez que à noite um de nós sempre permanecia em vigília.
Acordei com a Luciana me cutucando. Marcela e Ana Paula continuavam deitas, com os olhos pregados, provavelmente dormindo. Aliás, esta última parecia roncar baixinho, indiferente aos raios de luz a atingir-lhe o rostinho.
-- O que foi? -- perguntei assustado, após um sobressalto. -- O que aconteceu?
-- Nada – respondeu ela, falando baixinho, com sussurros, como que para não acordar as outras duas. -- Vamos pegar alguma coisa para comer.
-- Mas já? -- Levantei ainda meio sonolento e, de pé, esfregando os olhos, acrescentei: -- Então vamos chamar as meninas.
-- Não precisa! Deixe elas dormindo. Daqui a pouco elas acordam. Até lá a gente da deve até ter voltado.
Naquele momento não me passou pela cabeça que por trás daquele convite havia outras intenções. Acredito que o fato de ter acabo de acordar tenha contribuído para tal fato ter passado despercebido, contudo, a minha inocência, a falta de malícia ainda tão presente nessa idade pode ter sido outro fator. A verdade porém foi que acreditei seriamente que Luciana tencionava tão somente apanhar algumas frutas para nos alimentarmos naquela manhã. Como eu poderia saber que ela, enquanto tomava conta da fogueira – ela foi a última a assumir tal posto --, ficara maquinando um plano diabólico, uma forma de me arrastar para longe e mais uma vez me seduzir?
Hoje fico imaginando o porquê de tanto desejo por mim. Tratava-se apenas de uma curiosidade, de um desejo em experimentar o que não teria como se não fosse naquela ilha? Ou teria ela plena consciência do que estava fazendo, e o fazia por prazer, porque era uma mulher capaz de passar por cima de qualquer moral para alcançar seus objetivos? Essa dúvida paira sobre minha cabeça até hoje, embora outros acontecimentos que o leitor há de ter conhecimento no momento oportuno me inclinam para a segunda hipótese, uma vez que na mais das vezes ela parecia saber perfeitamente o que estava fazendo.
Ah, querido leitor! Só fui me dar conta de suas intenções quando, após uns dois quilômetros, pouco antes de chegar ao destino, onde a faixa de areia era mais larga, Luciana parou diante de mim, como que para me impedir de continuar andando, deu um sorrisinho maldoso e disse:
-- Deixa eu ver como ele fica quando está pequeno.
Não encontro palavras para descrever o que senti. Lembro-me no entanto, de ficar sem ação, imóvel, como que paralisado feito uma criança que congelada de pavor, torna-se uma pedra. E não havia motivos para ficar assim. Afinal de contas ela já me vira nu mais de uma vez. Então por que fiquei paralisado? Por que não reagi de uma forma qualquer?
A resposta pode estar não só na surpresa, pois não esperava aquilo, como também nas palavras do dia anterior. Ela tinha total controle sobre mim. Podia fazer comigo o que bem entendesse. Eu tinha plena consciência de minhas fraquezas, de minha impotência diante dela. Talvez isso, ao saber que ela faria o que tinha em mente, tenha me paralisado.
Ela por sua vez não esperou resposta. Aliás, talvez achando que meu silêncio fosse um sinal de consentimento, agarrou a borada da minha sunga e a moveu apenas o bastante para que o pequenino falo, encolhido feito um animal medroso, ficasse a mostra.
-- Mais que coisinha mais pequena! -- exclamou, levando a mão à boca e tapando o sorriso.
Seu sorriso foi humilhante. Ah, como aquilo me doeu! Aliás, nem poderia ser diferente. Não há nada mais humilhante para um garoto nessa idade do que ser motivos de risos por causa do tamanho do pênis. É uma situação capaz de provocar danos profundos no futuro. Em pessoas assim, onde a timidez de vez ou outra aflora com intensidade, os danos psicológicos podem ser ainda maiores.
Tomado pela vergonha, pela humilhação, com os olhos prontos a se desfazerem em lágrimas, minha reação foi empurrar-lhe o braço e sair correndo.
Não me ocupei da direção, apenas saí correndo feito um animal em debandada, que se precipita morro abaixo, atropelando tudo que encontra pela frente.
Ainda houvi Luciana gritar por mim, pedir-me para esperá-la, contudo não queria que me visse chorando, com um ódio enorme no peito, com uma descomunal vontade de matá-la.



LEIA TAMBÉM:
NÃO DEIXE DE SER CRIANÇA – Será publicado num livro didático pela Editora do Brasil de São Paulo.
SER ADOLESCENTE É(1)... - Foi usado num video produzido pela ONG Instituto Mamulengo Social de São José dos Campos - SP que trabalha com adolescentes.
É POR ISSO QUE TE AMO – Parte de texto foi usada numa campanha publicitária em Belo Horizonte.
O DIÁRIO DE ANA CARLA – Como o próprio título diz, é a versão da personagem Ana Carla da história A MENINA DO ÔNIBUS. Recebi um convite da Editora Soler de Belo Horizonte para publicá-lo em livro. A obra completa já está quase pronta. Aliás, estes dois textos me renderam até agora mais de 100 emails elogiosos.
APRENDA COM TEUS ERROS – Usado pela professora Isabela no colégio IPEI em João Pessoa -PB
ELA É MINHA VIDA – Gravada por "POLEIRO" em Portugal.
NÃO DEIXEM MORRER AS FLORES – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
EU NÃO NASCI COM ASAS – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 267Exibido 2197 vezesFale com o autor