Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
55 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56385 )
Cartas ( 21117)
Contos (12482)
Cordel (9833)
Crônicas (21786)
Discursos (3122)
Ensaios - (9975)
Erótico (13197)
Frases (41431)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136893)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4473)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Roteiro_de_Filme_ou_Novela-->ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 43 -- 09/11/2010 - 19:41 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 43


ÍNDICE
Capítulo(01) Capítulo(02) Capítulo(03) Capítulo(04) Capítulo(05) Capítulo(06) Capítulo(07) Capítulo(08) Capítulo(09) Capítulo(10) Capítulo(11) Capítulo(12) Capítulo(13) Capítulo(14) Capítulo(15) Capítulo(16) Capítulo(17) Capítulo(18) Capítulo(19) Capítulo(20) Capítulo(21) Capítulo(22) Capítulo(23) Capítulo(24) Capítulo(25) Capítulo(26) Capítulo(27) Capítulo(28) Capítulo(29) Capítulo(30) Capítulo(31) Capítulo(32) Capítulo(33) Capítulo(34) Capítulo(35) Capítulo(36) Capítulo(37) Capítulo(38) Capítulo(39) Capítulo(40) Capítulo(41) Capítulo(42)

43


Voltei com dois peixes atravessados pela vara, frutos de muita paciência e perseverança. Não tinha certeza quanto tempo levara para pescá-los. Poderia ter se passado meia hora, uma hora, duas ou até mais que isso. Aliás, o tempo não fazia muita diferença desde que chegamos àquela ilha. Éramos apenas guiados pelo movimento do sol e da lua. Sabíamos quando era dia, noite, quando era cedo, por volta do meio dia e final de tarde, nada mais além.
Marcela e Ana Paula também haviam retornado e estavam preocupadas com o meu sumiço. Ana Paula chegou inclusive a dizer que se eu demorasse mais um pouco iriam ela e Marcela atrás de mim.
-- Fui atrás de alguma coisa pra gente comer -- falei, entregando os peixes para Marcela. -- Agora é a vez de vocês limpar.
Marcela pegou a vara com os peixes e disse para Ana Paula:
-- Vamos preparar eles para o almoço. Pelo menos não vamos comer algo diferente hoje.
-- É. As coisas estão melhorando por aqui -- disse minha prima rindo. -- Não aguentava mais comer frutas o tempo todo.
Saíram. Por alguns minutos fiquei às sós com Luciana. E para quebrar o silêncio, perguntei:
-- E o pé? Como está?
-- Pelo menos parou de doer um pouco.
-- É só não forçar que em três ou quatro dias ele já vai estar bem melhor.
-- Você acha que até lá estarei andando? -- quis saber, com certo entusiasmo, como se minhas previsões fossem infalíveis.
-- Talvez -- procurando manter vivas suas esperanças. Não queria desapontá-la e deixá-la de mau humor, pois se o fizesse a coisa acabaria refletindo em nós mesmos. Até lá ela estaria mais conformada e viria que sua recuperação poderia levar semanas.
-- Não quero você andando com aquelazinha por aí.
-- Não precisa se preocupar. Não vou fazer nada com ela -- respondi com irritação, deixando bem claro o quanto essa conversa me desagradava. De fato, toda vez em que ela falava da Marcela daquele jeito eu me irritava. Ela não podia compreender, mas eu amava outra e não ela. Se era condescendente com Luciana e a deixava praticar certos atos comigo era por medo e fraqueza. Se pudesse escolher, não faria com ela aquelas coisas de jeito nenhum, mas a minha covardia não deixava. Por isso, na medida do possível procurava fugir dela, mas nem sempre isso era possível.
-- É bom mesmo!
Nisso, Marcela e Ana Paula retornaram com os peixes limpos. Marcela, por ter mais experiência, colocou os peixes para assarem na fogueira enquanto minha prima se encarregava de manter o fogo a todo vapor, alimentando-o com pequenos gravetos. E não demorou para que ficassem prontos, embora talvez se os houvéssemos deixado mais teria ficado mais saboroso. No entanto não reclamamos da falta de tempero e sal. Melhor assim do que comermos frutas o tempo todo.
-- Ainda sim não deu para matar direito a fome -- disse Luciana.
-- Quer que eu vá pegar alguma fruta? -- perguntei.
-- Não. Precisa não. Mas se você quiser trazer um pouco de água eu aceito.
Apanhei a casca de coco, a qual usávamos para transportar água -- embora quando tínhamos sede íamos na fonte, pois a mesma ficava a menos de um quilômetro da cabana --, e fui buscar água. Aliás, a sede não nos preocupava tanto quanto a fome. Talvez porque sabíamos que água não nos faltaria. Quando algum de nós sentia sede, simplesmente ia até a fonte, onde encontramos a faca, bebia e retornava sem dar santificação aos demais. Era como fazer uma necessidade: todos nós fazíamos naturalmente, sem alarde. No entanto, para Luciana, devido a impossibilidade de se locomover, isso deixou de ser uma coisa simples e natural. Pois dependia da gente para tudo.
Ao retornar, passei pelas meninas. Estavam tomando banho de mar. E embora não tenha prestado atenção, pude perceber que diziam alguma coisa engraçada uma para a outra, pois ambas riam alto. "Só espero que não estejam falando de mim", lembro-me de pensar. De vez em quando via-as cochichando e, embora não soubesse do que se tratava, achava que falavam de mim. Talvez por andar fazendo coisas erradas com Luciana. Aliás, tinha quase certeza de que sabiam de alguma coisa. Por mais que Luciana não contara nada, não é possível, devido ao comportamento meu e principalmente de Luciana, que Marcela não tenha percebido nada. Embora soubesse de alguma coisa, não creio que Ana Paula tenha abrido a boca, ainda mais depois das ameaças que lhe fiz.
Entreguei o recipiente com água para Luciana e ela bebeu.
-- Quer mais? -- perguntei.
-- Não. Obrigada -- foi a resposta que me deu, entregando-me a casca de coco vazia. E depois de um breve silêncio perguntou um tanto mal humorada: -- Por que aquelas duas vadias tanto ri?
Apesar de não ser uma pessoa mau humorada, o estado de espírito de Luciana contrastava com o daquelas duas. E pela maneira como se referiu à Ana Paula e Marcela, pude perceber o quanto a descontração delas irritava a outra.
-- Não faço a menor ideia -- respondi. -- Mas vou lá dar uma olhada.
-- Não. Não precisa! Não quero que você vá. Fique aqui comigo, meu hominho.
Disse-lhe que não demoraria. Ela insistiu para que ficasse com ela, alegando que se sentia muito sozinha presa naquela cabana. Respondi-lhe que uns minutinhos sem mim não fariam diferença. E também precisava dar uma mijada. Aliás usei isso como desculpa.
Aproximei. Não me viram chegar porque pareciam procurar alguma coisa. Aliás, pude ver no rosto de Ana Paula, antes que ela mergulhasse, um certo ar de desespero. Achei estranho aquilo, porque momentos antes podia-se ouvir da cabana as duas brincando. E quando aproximei e notaram a minha presença foi como se vissem um fantasma. Não notei nada de diferente porque estavam com água até o pescoço.
-- O que foi? -- indaguei, deduzindo que havia algo de errada.
Ambas entreolharam-se. Só então Ana Paula resolveu falar:
-- Marcela perdeu a parte de baixo do biquíni.
Instintivamente olhei para ela e, apesar de coberta pela água do mar, a imagem de seu corpo seminu condensou-me no cérebro. Obviamente ocorreu uma transposição de imagens. Na verdade aquela parte do corpo dela que se manteve até então coberta pelo biquíni e que se formou nos meus pensamentos não eram dela, mas de Luciana. Eu completara a parte oculta com o que estava acostumado a ver na outra.
-- Como isso aconteceu? -- perguntei surpreso.
-- Ela tirou para lavar e de brincadeira tomei da mão dela. Ela começou a correr atrás de mim e joguei por ali – apontou Ana Paula para um ponto cerca de meio metro de onde estavam, em direção ao mar. -- Só que ele afundou e não achamos mais.
-- Já procuramos, mas nenhum sinal -- volveu Marcela.
-- Vou dar um mergulho para ver se acho.
Mergulhei. Mas ao invés de me atentar em achar a peça do biquíni, procurei antes de mais nada, manter os olhos bem atentos para ver se conseguia observar Marcela seminua. Talvez se perdesse aquela oportunidade não teria outra. E de mais a mais, fui tomado pela curiosidade em saber se no meio das pernas ela era igual à Luciana. Embora soubesse que as duas tinham a mesma coisa, desejava saber em que detalhes não se assemelhavam. Talvez por estar apaixonado por Marcela, estava certo de que não só naquela parte do corpo, mas em tudo que se referia a ela, era mais bonito e mais perfeito. Era muito jovem e inocente para saber que o amor é cego e transforma a feiura em beleza, porém só fazia confirmar o velho ditado. E se não estivesse cerca de meio metro dela, teria visto tudo com clareza, mas a água distorcia as imagens. Por isso, naquela primeira investida, não pude ver muita coisa.
Embora conseguisse prender a respiração por bastante tempo, não quis que ela desconfiasse das minhas verdadeiras intenções. Então voltei à tona e disse-lhe que não estava conseguindo ver muita coisa.
-- Mas vou tentar de novo – falei.
Prendi a respiração e dei outro mergulho. Fui ao fundo e me segurei na areia para que dessa forma ficasse difícil para saberem onde eu estava. E com muito cuidado para não voltar a superfície, aproximei de Marcela, numa distância onde a água não distorcesse minha visão. E o que vi quase me fez perder o controle e emergir diante dela.
Ainda hoje tenho essa imagem impressa no cérebro como se essa visão houvesse ocorrido a poucos instantes. Acredito inclusive que mesmo quando a vida estiver me escapando e a morte me estendendo a mão, e a vida me passar como um flash, essa imagem passará diante dos meus olhos com todos os detalhes. Embora ela estivesse com as pernas juntas e não me fosse possível ver muita coisa, só a visão daqueles pelos negros, apesar de mais curtos e espaçados que os de Luciana, foi-me suficiente. Dava por satisfeito por ter retido aquela imagem. Mas havia mais. Um detalhe me chamou ainda mais a atenção. Uma parte dela parecia sair para fora. Era algo pequeno, mas que eu não tinha visto em Luciana. E esse algo, que eu não fazia a menor ideia do que se tratava, intrigou-me de uma forma que, se não fosse a falta de ar, eu teria o observado por mais tempo até ter uma noção melhor do que se tratava. Mas o instinto de sobrevivência falou mais alto e então dei um impulso para trás e voltei à tona. Se tivesse outra oportunidade, observaria com mais atenção e tentaria descobrir.
-- E aí? Achou? – Foi a pergunta que Marcela me fez.
-- Não. Nada. A Correnteza deve ter levado ela – respondi.
-- E agora o que faço?
Ana Paula olhou para minha cara a procura de uma resposta. Pensei em dizer-lhe para ficar assim mesmo. Mas obviamente isso lhe seria constrangedor, embora se demorássemos mais tempo naquela ilha, mais cedo ou mais tarde nossas roupas acabariam se despedaçando. Então ocorreu-me de sugerir-lhe:
-- Tira a parte de cima e amarra embaixo.
Titubeante, acabou dizendo:
-- Mas eu vou ficar com os peitos de fora?
-- E qual o problema? Eu e a Luciana não já estamos? -- acudiu Ana Paula, com um certo sorriso.
-- Melhor isso que sua coisa de fora – falei, dando de ombros, como se não lhe houvesse outra saída.
-- Então sai daqui, que a gente vai tentar dar um jeito – Pediu ela, virando-se de frente para a imensidão do oceano.
Constrangido, acabei por me afastar em direção à areia. Aliás, era o melhor que eu tinha a fazer. Se saísse com elas, vir-me-iam excitado.
Era preciso esconder isso não só delas como de Luciana. Assim, fui em direção ao bananal e, longe das vistas daquelas duas, bati uma rápida punheta, já que aquela imagem tão fresca em minha mente tratou de apressá-la a ponto de me provocar uma ejaculação quase instantânea.


LEIA TAMBÉM:
NÃO DEIXE DE SER CRIANÇA – Será publicado num livro didático pela Editora do Brasil de São Paulo.
SER ADOLESCENTE É(1)... - Foi usado num video produzido pela ONG Instituto Mamulengo Social de São José dos Campos - SP que trabalha com adolescentes.
É POR ISSO QUE TE AMO – Parte de texto foi usada numa campanha publicitária em Belo Horizonte.
O DIÁRIO DE ANA CARLA – Como o próprio título diz, é a versão da personagem Ana Carla da história A MENINA DO ÔNIBUS. Recebi um convite da Editora Soler de Belo Horizonte para publicá-lo em livro. A obra completa já está quase pronta. Aliás, estes dois textos me renderam até agora mais de 100 emails elogiosos.
APRENDA COM TEUS ERROS – Usado pela professora Isabela no colégio IPEI em João Pessoa -PB
ELA É MINHA VIDA – Gravada por "POLEIRO" em Portugal.
NÃO DEIXEM MORRER AS FLORES – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
EU NÃO NASCI COM ASAS – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 267Exibido 1528 vezesFale com o autor