Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
106 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56135 )
Cartas ( 21113)
Contos (12445)
Cordel (9803)
Crônicas (21709)
Discursos (3120)
Ensaios - (9953)
Erótico (13192)
Frases (41226)
Humor (17643)
Infantil (3599)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5440)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136703)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4462)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Roteiro_de_Filme_ou_Novela-->ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 49 -- 01/07/2012 - 13:05 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 49


ÍNDICE
Capítulo(01) Capítulo(02) Capítulo(03) Capítulo(04) Capítulo(05) Capítulo(06) Capítulo(07) Capítulo(08) Capítulo(09) Capítulo(10) Capítulo(11) Capítulo(12) Capítulo(13) Capítulo(14) Capítulo(15) Capítulo(16) Capítulo(17) Capítulo(18) Capítulo(19) Capítulo(20) Capítulo(21) Capítulo(22) Capítulo(23) Capítulo(24) Capítulo(25) Capítulo(26) Capítulo(27) Capítulo(28) Capítulo(29) Capítulo(30) Capítulo(31) Capítulo(32) Capítulo(33) Capítulo(34) Capítulo(35) Capítulo(36) Capítulo(37) Capítulo(38) Capítulo(39) Capítulo(40) Capítulo(41) Capítulo(42) Capítulo(43) Capítulo(44) Capítulo(45) Capítulo(46) Capítulo(47) Capítulo(48)

-- Acaba de tirar isso aí – ordenou ela, empurrando-me a sunga para baixo com certa violência. Nisso, desequilibrou-se e, ao tentar segurar-se naquela peça de roupa para não cair, acabou por rasgá-la. -- Merda! -- deixou escapar em seguida.
A princípio, eu não percebi. Até porque estava escuro e Luciana estava em minha frente, atrapalhando-me a visão.
-- O que foi? -- perguntei, achando que ela tinha se machucado mais uma vez. Aliás, pensei na torção do pé. -- Machucou o pé de novo?
Luciana encarou-me com um olhar faiscante, profundamente contrafeita.
-- Não, seu idiota! Rasguei essa merda aí.
-- Ah! Ela já estava rasgada do lado. Também com ela todos esses dias. Só podia acontecer isso mesmo!
-- Eu sei. Não precisa me dizer. Não sou uma idiota feito você. O problema é que rasgou bem na frente. E eu não quero você andando com isso aí aparecendo. Não quero que aquela cadela veja.
Magoado e ofendido, pois ela me tratara como se eu fosse um inútil, terminei de retirar a sunga e abaixei para apanhá-la. Aproximei-a dos olhos e então vi o rasgo diagonal, o qual se estendia de uma extremidade a outra. Embora fosse apenas um rasgo, de fato ficaria difícil evitar que o falo não escapasse por ali. E ao me aperceber disso, fiquei enrubescido. “E agora elas vão ficar olhando para ele. Marcela. Ela vai ficar imaginando coisas com ele. Aposto! Até minha prima. Será?”, pensei. A bem da verdade, não foi Luciana quem me preocupou naquele momento, mas Marcela. Ela ainda não vira, e das primeiras vezes seria constrangedor. Pelo menos até que eu me acostumasse.
-- É! Rasgou muito – exclamei.
-- Temos que dar um jeito de emendar ele, senão essa coisa ai vai ficar para fora – disse Luciana.
-- Acho que não vai ter não. Tá muito velha. Vai é rasgar mais. Que nem o biquíni de vocês. Já está todo rasgado.
-- Pode deixar que eu vou encontrar um jeito. Ele é só meu. E se eu pegar aquela vadia de olho nele, juro que quebro ela todinha – ameaçou. Nisso levou-me a mão aos testículos e os apertou.
-- Aiiii!!! Tá doendo – protestei.
Ela o soltou e eu dei um passo para trás.
-- Me dá ela. Deixa eu vestir assim mesmo. E vamos voltar – falei.
-- Que voltar? A gente só vai voltar depois que você se deitar comigo – disse com convicção. Enquanto isso, Luciana sentou-se na areia e deitou-se de lado, virando-se para cima. -- Vem cá! -- estendeu-me as mãos. -- Deita em cima de mim.
Fitei-a. Apesar da escuridão, via-se seu corpo branco e nu. Meus olhos fixos naquele par de seios, escorregaram-lhe através do dorso até alcançar os meios das pernas dela, onde jazia uma mancha negra.
-- Mas não vai machucar o teu pé? -- argumentei, na esperança de demovê-la.
-- Não, não vai. Vou afastar elas bastante. Assim, ó! -- Abriu as pernas. -- Vem logo, seu imprestável! Tá esperando o quê?
Ajoelhei ao seu lado e lentamente fui deitando-lhe sobre. Nisso Luciana estendeu o braço e agarrou-me o falo, o qual perdera parte da rigidez de momentos antes.
-- Vai, moleque! Faz isso ficar duro direito! Será que nem para isso você presta?
Sem lhe dizer nada. Ajeitei-me no meio de suas pernas e a penetrei. Aliás, tive um pouco de dificuldade no começo, mas a mão dela no meu falo colocou-o no lugar certo. E o contato com os lábios úmidos da vulva dela despertou-me os instintos, levando-me o falo à rigidez, que nessas horas o acomete, mesmo a contra gosto, pois é possível controlar certos atos, mas não os involuntários.
O gozo, como era de se esperar, não demorou.
Embora não fosse uma mulher experiente, Luciana o pressentiu momentos antes. E quando minhas forças faltaram-me, eu tentei erguer os quadris para que meu gozo não ocorresse dentro dela, mas ela segurou-me pelas nádegas e não pude fazer nada. Em seguida porém, tentei escapar, mas ela ordenou-me:
-- Não gozei ainda. Continua. -- Ela falava comigo como se falasse com um garoto de programa. Aliás, senti-me usado, pois ela parecia pensar só em si e não dar a mínima para os meus sentimentos.
Como me foi difícil fazer aqueles movimentos! O prazer jazia extinto e eu só pensava em escapar-lhe dos meios das pernas, fugir dali. Mas não! Tinha de continuar. Até porque não me restava outra alternativa mesmo. E continuei.
Finalmente ela teve o seu gozo. E não fez questão de escondê-lo. Fiquei inclusive com medo de tê-la machucado. Pois ela gritava como se eu a perfurara por dentro. Lembro-me perfeitamente. Com os primeiros gritos, cheguei a parar e a fazer que ia me levantar. Mas ela porém me deu uma bofetada e disse:
-- Continua, seu idiota!
Quando tudo acabou, fez-se um longo silêncio. Estava desesperado para sair de cima e fugir dela, mas temia que me agredisse novamente. Desta feita, decidi conter a repulsa e permanecer-lhe sobre, feito um cãozinho obediente e temeroso, que sabe o quanto o dono é violento.
Súbito, o silêncio findou. Ela encarou-me e disse:
-- Pelo menos para isso você presta.
Não disse palavra. Apenas encarei-a. Então Luciana pediu-me para se levantar. Obedeci. Aliás, ela exercia um poder tão forte e avassalador sobre mim que eu estava completamente em suas mãos. Enquanto permanecêssemos naquela ilha ela faria de mim o que bem entendesse. Eu era um brinquedinho em suas mãos. Talvez até me restasse alguma chance, mas eram mínimas. Aliás, se de fato havia alguma, esta estava naqueles dias em que Luciana dependia de mim para se locomover. Enquanto o pé a impedisse de andar sozinha, eu teria alguma liberdade e a oportunidade de pensar numa forma de por fim àquele poder.
Apanhei a sunga e dei dois passos em direção à água, mas ela me pediu para ajudá-la a se levantar. Em seguida, disse-me que também precisava se lavar.
Se a coragem não me faltasse e se ela não tivesse me reduzido naqueles poucos dias a um completo idiota, talvez tivesse deixado-a ali, sozinha e então ela teria de retornar com as próprias pernas, o que seria uma vingança, mas não, fui ajudá-la, como teria feito qualquer idiota que, mesmo escorraçado injustamente, cai de joelhos e pede perdão.
A água do mar estava bastante fria. Não chegava a estar gelada, talvez por causa do verão, onde o dia era bastante quente, mas quase chegava a provocar calafrios. Luciana não se importou. Entrou e pediu-me para levá-la mar adentro, até que a água nos atingiu os quadris. Então eu a soltei, pois o seu peso não lhe exercia mais tanta pressão no pé. Ela se lavou. Eu também. Inclusive, depois de me acostumar com a temperatura, dei um mergulho.
-- Vamos voltar – disse-me ela algum tempo depois, com aquele ar de imponência que parecia se acentuar a cada dia..
Saímos da água e apanhei a sunga sobre a areia. Voltei alguns passos e mergulhei-a para retirar a areia. Só então eu a vesti.
-- Deixa eu ver.
Parei diante de Marcela. De fato o rasgo era grande e meu falo, o qual se encontrava encolhido, escapava por ali.
-- Bem. Agora vai ter que ficar assim mesmo. Mas vou avisando: Se aquela cadela ficar de olho nele, furo os olhos dela. -- Nisso senti um calafrio. Sabia que Luciana era capaz de fazer isso mesmo. -- E você também. Se eu pegar ele duro por causa dela, arranco ele fora.
Ao fim dessas palavras senti uma dor tão forte nos testículos que não pude resistir e caí ao chão.
Talvez Luciana não pudesse imaginar que, ao bater-me de baixo para cima, com a palma da mão, como se me desse uma bofetada, fosse me provocar tanta dor. Contudo, nada provoca mais dor do que uma batida de baixo para cima, pois atinge em cheio os testículos. Gritei de dor enquanto as forças nas pernas me faltavam. Em seguida, fui tomado pelo choro.
Vendo-me contorcer de dor, ajoelhou-se ao meu lado e, acariciando-me na face, coisa que não fizera desde que saímos da cabana, pediu-me desculpas. Confessou que não sabia que fosse doer tanto.
Não lhe dei ouvidos. Continuei a chorar, até porque a dor era intensa. E ainda hoje, depois de todos esses anos, quando me lembro daquele momento, é como se a dor voltasse. Chego a senti-la como se meus testículos fossem novamente atingidos.
Mais tarde porém a dor passou e o choro cessou. No entanto, permaneci mais algum tempo deitado, desejando matá-la. Ah, se eu tivesse coragem! Levantaria naquele instante e me atiraria sobre ela e a esmurraria até que ela perdesse a consciência. Se a raiva ainda permanecesse, continuaria. Pois tomado pela ira, o homem se torna um animal selvagem.
-- Levanta. Vamos voltar. Elas já devem estar estranhando a nossa demora.
Pensei em Marcela e na minha prima. “Será que elas estão desconfiadas de alguma coisa? Tão estranhando a nossa demora. Ana Paula sabe. Imaginando. Ela pode estar. E se ela contar para Marcela? Não. Isso ela não vai fazer. Proibi ela. Ali na mata quando derrubei ela no chão. Ameacei. Não ela não vai...”
Caminhamos em silêncio de volta à cabana.


LEIA TAMBÉM:
NÃO DEIXE DE SER CRIANÇA – Será publicado num livro didático pela Editora do Brasil de São Paulo.
SER ADOLESCENTE É(1)... - Foi usado num video produzido pela ONG Instituto Mamulengo Social de São José dos Campos - SP que trabalha com adolescentes.
É POR ISSO QUE TE AMO – Parte de texto foi usada numa campanha publicitária em Belo Horizonte.
O DIÁRIO DE ANA CARLA – Como o próprio título diz, é a versão da personagem Ana Carla da história A MENINA DO ÔNIBUS. Recebi um convite da Editora Soler de Belo Horizonte para publicá-lo em livro. A obra completa já está quase pronta. Aliás, estes dois textos me renderam até agora mais de 100 emails elogiosos.
APRENDA COM TEUS ERROS – Usado pela professora Isabela no colégio IPEI em João Pessoa -PB
ELA É MINHA VIDA – Gravada por "POLEIRO" em Portugal.
NÃO DEIXEM MORRER AS FLORES – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
EU NÃO NASCI COM ASAS – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL

NÃO DEIXE DE LER: 30 TEXTOS MAIS LIDOS DA USINA NOS ÚLTIMOS 6 MESES

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 265Exibido 1104 vezesFale com o autor