Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55947 )
Cartas ( 21109)
Contos (12417)
Cordel (9757)
Crônicas (21611)
Discursos (3119)
Ensaios - (9947)
Erótico (13172)
Frases (41021)
Humor (17617)
Infantil (3597)
Infanto Juvenil (2322)
Letras de Música (5434)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136496)
Redação (2884)
Roteiro de Filme ou Novela (1047)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4431)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Roteiro_de_Filme_ou_Novela-->ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 53 -- 17/03/2013 - 17:24 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 53


ÍNDICE
Capítulo(01) Capítulo(02) Capítulo(03) Capítulo(04) Capítulo(05) Capítulo(06) Capítulo(07) Capítulo(08) Capítulo(09) Capítulo(10) Capítulo(11) Capítulo(12) Capítulo(13) Capítulo(14) Capítulo(15) Capítulo(16) Capítulo(17) Capítulo(18) Capítulo(19) Capítulo(20) Capítulo(21) Capítulo(22) Capítulo(23) Capítulo(24) Capítulo(25) Capítulo(26) Capítulo(27) Capítulo(28) Capítulo(29) Capítulo(30) Capítulo(31) Capítulo(32) Capítulo(33) Capítulo(34) Capítulo(35) Capítulo(36) Capítulo(37) Capítulo(38) Capítulo(39) Capítulo(40) Capítulo(41) Capítulo(42) Capítulo(43) Capítulo(44) Capítulo(45) Capítulo(46) Capítulo(47) Capítulo(48) Capítulo(49) Capítulo(50) Capítulo(51) Capítulo(52)

Temendo deixar Ana Paula às sós com Lucina e esta última a pressionasse para contar o que havia ocorrido, preferi deixar as três na cabana e ir sozinho atrás do que comer. E não demorei a voltar com três goiabas começando a madurar.
-- Não achei mais nada – falei, mostrando-lhes as goiabas. – Só isso!
-- Mas isso não dá pra nada! -- exclamou Luciana.
-- Foi o que eu arranjei – respondi. -- Pega uma cada uma. Não quero comer nada – acrescentei.
-- Nada disso! -- volveu Marcela. -- A gente divide. Luciana e Ana Paula comem essas duas menores e essa grande eu divido com você. -- Pegou as goiabas de minha mão. -- Toma, Ana Paula! Fica com essa. E essa pra você – Foi em direção à Luciana e lhe entregou uma.
Luciana estendeu o braço e a pegou. Em seguida, fitou-me com os olhos faiscantes e acrescentou:
-- Deixa ele sem. Assim ele aprende a procurar alguma coisa pra gente comer. Quem manda ele não ser homem o bastante para encontrar comida!
-- Não é nada disso! -- discordou Marcela, defendendo-me. -- Você sabe muito bem que nessa ilha não tem mais nada. Só aqueles pés de goiaba e aquelas bananeiras.
-- Como você sabe? Por acaso você vasculhou toda a mata? Quem disse que nela não tem o que comer? E peixes? Por que ele não vai pescar ao invés de ficar fazendo nem sei o que com a priminha.
Quando ela proferiu estas últimas palavras, fui tomado de um calor na face. Ana Paula, que até então mantinha-se distante, fitou-me assustada. Por sorte minha, ela foi esperta e se esquivou de imediato.
-- Comigo nada! E o que ele poderia estar fazendo comigo? Nem com ele eu estava!
-- E como você arrebentou a tanga? -- perguntou Luciana de forma provocativa.
-- Eu... Eu entrei naquela trilha ali e ele agarrou num galho. E já estava quase arrebentando. Ai acabou de arrebentar – explicou.
-- Mentirosa!
-- Mentirosa por quê? Por acaso você estava lá pra ver? Não. Só fica aí, deitada, com esse pé machucado. Acho até que você se machucou de propósito. Para não fazer nada e para ser carregada por ele. Você é bem capaz disso! -- disse minha prima, bastante exaltada.
-- Sua vadiazinha! Juro que, quando eu melhorar, você vai se ver comigo – ameaçou Luciana.
-- Vamos parar com essa discussão? -- intervi.
-- É mesmo! -- concordou Marcela. -- E você Luciana não pode falar isso dela. E nem ela dizer que você se machucou de propósito. Todo mundo sabe que nossas roupas estão apodrecendo. Não vai durar mais uma semana. Torço para que até lá tenham achado a gente.
-- Eu já disse: eles já pararam de procurar. Pensam que a gente se afogou. Não vão encontrar a gente. Vamos ficar nessa ilha para sempre ou até que alguém resolva aparecer por aqui.
-- É mentira! Não pararam não! -- retrucou Ana Paula.
-- Também acho que não – afirmou Marcela.
-- Eles não iam desistir – acrescentei, mais para confortar minha prima, pois no fundo não acreditava que sairíamos tão cedo daquela ilha, do que por convicção.
Aliás, esse assunto acabou dando outro rumo a discussão e inclusive amenizando os ânimos. E como já ocorrera antes, o debate findou sem um consenso. No entanto, apesar de não declarar, eu sabia que Luciana estava com a razão. Mas ainda mantinha a esperança. E acredito que até ela tinha esperança de que fôssemos encontrados brevemente. Não posso admitir, apesar de me ter confessado isso algum tempo depois, que preferia estar ali do que ir para casa.
-- Vou tentar pegar um peixe – falei pouco mais tarde.
-- Vou contigo – disse Luciana.
-- Mas você não está podendo andar – retruquei.
-- E você pode se machucar de novo – interferiu Marcela.
-- Não vou me machucar de novo. Fico sentada numa pedra, só olhando – explicou. -- E vocês duas? Por que não aproveitam e entram na mata e tentam achar alguma pra gente comer?
-- Mas essa mata é perigosa! -- exclamei, temendo pelas duas. Aliás, imediatamente aqueles sons que ouvira dias atrás invadiram-me à mente. -- Pode ter algum monstro escondido nela.
-- Que monstro o que! Não tem nada lá. Já te falei. Nós dois não já subimos até o topo? Encontramos alguma coisa? Não. Então? É porque não tem nada. Agora, só porque você ouviu um barulho estranho outro dia. Aposto como foi o vento. Tá achando que foi um bicho.
-- Mas eu ouvi. Não estou doido.
-- Você pensa que ouviu, isso sim! Se tivesse, a gente já teria visto ele ou pelo menos alguma marca de pegada na arei. Mas nunca encontramos nada. Por quê? Porque não existe nada. E só você diz quem ouviu. Não dão ouvidos a ele não. É um medroso, isso sim. Pra não entrar na mata, fica inventando coisas.
-- Eu nunca ouvi nada – falou Marcela.
-- E nem eu – assentiu Ana Paula.
-- Luciana está certa. É uma boa ideia. Vai que a gente ache outros pés de goiaba carregado. Não custa tentar – afirmou Marcela.
Fui voto vencido. Talvez eu realmente estivesse errado. Mas, naquele momento, eu me considerava o único com a razão. Contudo, não poderia fazer nada. Assim, só me restou torcer para que nada de ruim acontecesse com aquelas duas.
Elas saíram pouco depois, na nossa frente.
-- Me ajude a levantar. Já estou me sentindo bem melhor. Mais uns dois dias e já posso andar sozinha.
-- Tô vendo. Seu pé nem inchado está mais.
Na realidade, disse-lhe aquilo para agradá-la, pois como poderia saber ao certo se realmente estava melhor. Enrolado como estava impedia-me de ser preciso.
O local onde eu pescava ficara à esquerda da cabana. Assim, Ana Paula e Marcela foram para um lado e eu e Luciana para o outro. Aliás, quando saímos da cabana, não avistei mais as duas. Talvez já estivessem alcançado a trilha e embrenhado na mata.
-- Vamos parar aqui – disse Luciana enquanto ainda caminhávamos pela areia fofa.
-- Mas ainda não chegamos.
-- Preciso descansar um pouco. Vamos sentar.
Ajudei-a a se sentar e sentei ao seu lado. Houve um breve silêncio. Olhei para Luciana e ela parecia compenetrada, como que planejando alguma coisa. E isso me assustou. Pois eu sabia que, quando ela ficava assim, em seguida vinha uma surpresa. E de fato veio. Súbito ela me empurrou para trás, fazendo com que eu caísse de costas na areia, e virou para cima de mim.
Não houve tempo de esboçar uma reação. Quando percebi ela havia puxado para baixo a minha sunga e me agarrado os testículos.
-- Você pensa que acreditei naquela história esfarrapada da sua priminha? -- apertou-os de forma que dois dedos se fecharam entre os testículos e meu corpo, impedindo que estes pudessem escorregar e escapar, deixando-a penas com o saco escrotal na mão. -- Claro que não! Não sou idiota! Pode contar a verdade.
Senti sua mão se fechar e apertar-me os testículos, causando-me dor.
-- Aí. Isso está doendo. E já disse: não fizemos nada!
-- Confessa, seu viado! Vai ser melhor para você – insistiu ela, apertando ainda mais a mão.
Sentir uma dor intensa. Gritei de dor, como quem leva uma bolada no meio das pernas. E imediatamente implorei para ela parar de apertá-los, pois estava me machucando.
-- Então confessa! Senão vou apertar mais ainda – insistiu ela.
-- Já disse que não fiz nada – custei dizer, pois a dor me afetava. E aquela dor se espalhava por toda a região pélvica. Era como se um de meus membros estivesse sendo arrancado.
-- Seu filho da puta! Pára de mentir – disse ela, apertando mais a mão.
A dor foi tão aguda que soltei um grito desesperado. Foi a dor mais intensa que senti em toda a minha vida. Jamais imaginei que apertar os testículos doessem tanto. Não por acaso, muitos homens, ao tê-los atingido, acabam desmaiando. Aliás, toda vez que lembro daquela mão esmagando-os, sinto-os doer. E isso ocorre ainda hoje, apesar de todos esses anos. Meu grito ecoou, como aliás, ecoa todo grito de dor. Talvez temendo que as meninas ouvissem, Luciana tapou-me a boca, apertou mais, o que me fez perder todas as forças, e sussurrou-me com um certo deleite:
-- Só não arranco teus ovos, seu viado, porque preciso deles. Sei muito bem que sem eles essa coisa mole ai não fica dura. E sei também que é deles que vem a semente que faz a mulher engravidar. E se eu arrancar eles, seu troço não vai ficar duro, não vamos poder transar mais e você não vai poder me dar a semente do nosso filho. -- disse ela, abrindo a mão, o que fez a dor ficar menos intensa.
Não prestei atenção as suas palavras, pois a dor me impedia de qualquer outra coisa que não fosse tentar suportá-la. E mesmo quando ela me soltou os testículos, estes ainda ficaram doendo por algum tempo. Aos poucos porém a dor foi perdendo a intensidade. Só então me dei conta do que ela dissera.
-- O que foi que você disse?
-- Já te disse: isso aí é só meu. E só não arranquei eles, porque sem eles não posso engravidar. Eu sei que a gente não vai sair dessa ilha tão cedo. Se a gente tiver sorte, daqui uns dois ou três anos. E o que a gente vai fazer até lá? Sempre sonhei em ter um filho. E quando te encontrei não tive dúvida de que seria você o pai. Sabia que você gostava daquela cadela. Mas ela não era páreo para mim. E mesmo que esse acidente não tivesse acontecido e a gente não tivesse ficado preso nessa ilha, eu teria dado um jeito de tirar ela do meu caminho. E agora que a gente está aqui e que você é meu, não vou perder a oportunidade de ter um filho teu.
-- Mas eu sou apenas um garoto! E você também ainda é muito nova – retruquei.
-- Nova? Tem menina que se engravida com onze, doze anos. Antigamente com quinze anos já eram mães. E eu já tenho isso. E o que tem você ser um garoto? Por acaso teu pinto não funciona? Por acaso tu não goza? E o que sai dele, quando tu goza? É a semente, seu idiota! E se tu já tem semente, é porque tu já pode fazer um filho e ser pai. É que tu é meio idiota. Parece que vive em outro mundo. Na tua idade, os meninos já são bem mais espertos. Sabem muito bem dessas coisas.
-- Mas eu não quero ter um filho – insisti. A dor ainda não havia cessado, mas já não me afetava tanto. Apenas sentia os testículos latejarem, como ocorre depois de uma batida.
-- A decisão não é sua. É minha. E eu quero e pronto! Você só tem que fazer, meter em mim e gozar lá dentro. E quando eu senti que estou na época de ficar, você vai ter que fazer todo dia, até eu ficar.
-- Meu deus! Você é completamente louca! Como não vi isso!
-- Agora é tarde, meu amor – Luciana aproximou os lábios e me beijou. Enquanto isso, levou a mão até meu falo e o acariciou.
-- Pára! -- pedi depois do beijo.
-- Por quê? Você não me quer? Olha para eles – mostrou-me os seios, cujos mamilos estavam duros, denunciando sua excitação embora, por causa da inocência e inexperiência, eu não tenha associado uma coisa com a outra. – Você não gosta deles? Eu sei que você gosta. Deixo você chupar eles o quanto quiser. É só fazer ele ficara duro pra mim – insistiu.
-- Não, não quero. Você me machucou. Ainda está doendo muito – levei a mão aos testículos novamente. -- Não quero fazer nada.
-- Bem feito! Isso para você aprender que se fizer alguma coisa com aquelas duas, eu mato elas e depois ranco os teus ovos. E pode ter certeza que eu faço isso mesmo. Como você mesmo disse: eu sou louca. E uma pessoa louca é capaz de qualquer coisa.
Empurrei-a para o lado e sentei na areia. Por nada desse mundo eu transaria com ela ali. Ainda mais que eu só pensava na minha prima e naquele grande erro que eu cometera mais cedo. Não deveria tê-la atirado ao solo e a possuído daquela forma. Havia praticado um ato imperdoável. E mais imperdoável ainda por causa de Luciana. Se ele descobrisse a verdade, minha prima correria risco de vida. Eu não tinha dúvida de que Luciana tentaria matá-la para se vingar.
Levantei e estendi-lhe a mão, a fim de ajudá-la a se levantar.
-- Vamos! -- chamei-a. -- Quero ver se pego uns dois peixes.


LEIA TAMBÉM:
NÃO DEIXE DE SER CRIANÇA – Será publicado num livro didático pela Editora do Brasil de São Paulo.
SER ADOLESCENTE É(1)... - Foi usado num video produzido pela ONG Instituto Mamulengo Social de São José dos Campos - SP que trabalha com adolescentes.
É POR ISSO QUE TE AMO – Parte de texto foi usada numa campanha publicitária em Belo Horizonte.
O DIÁRIO DE ANA CARLA – Como o próprio título diz, é a versão da personagem Ana Carla da história A MENINA DO ÔNIBUS. Recebi um convite da Editora Soler de Belo Horizonte para publicá-lo em livro. A obra completa já está quase pronta. Aliás, estes dois textos me renderam até agora mais de 100 emails elogiosos.
APRENDA COM TEUS ERROS – Usado pela professora Isabela no colégio IPEI em João Pessoa -PB
ELA É MINHA VIDA – Gravada por "POLEIRO" em Portugal.
NÃO DEIXEM MORRER AS FLORES – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
EU NÃO NASCI COM ASAS – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL

NÃO DEIXE DE LER: 30 TEXTOS MAIS LIDOS DA USINA NOS ÚLTIMOS 6 MESES

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 265Exibido 908 vezesFale com o autor