Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
135 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56607 )
Cartas ( 21127)
Contos (12502)
Cordel (9854)
Crônicas (21849)
Discursos (3121)
Ensaios - (9995)
Erótico (13199)
Frases (41605)
Humor (17731)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2329)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137018)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4497)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Roteiro_de_Filme_ou_Novela-->ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 57 -- 31/08/2013 - 23:28 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ADEUS À INOCÊNCIA - CAP. 57


ÍNDICE
Capítulo(01) Capítulo(02) Capítulo(03) Capítulo(04) Capítulo(05) Capítulo(06) Capítulo(07) Capítulo(08) Capítulo(09) Capítulo(10) Capítulo(11) Capítulo(12) Capítulo(13) Capítulo(14) Capítulo(15) Capítulo(16) Capítulo(17) Capítulo(18) Capítulo(19) Capítulo(20) Capítulo(21) Capítulo(22) Capítulo(23) Capítulo(24) Capítulo(25) Capítulo(26) Capítulo(27) Capítulo(28) Capítulo(29) Capítulo(30) Capítulo(31) Capítulo(32) Capítulo(33) Capítulo(34) Capítulo(35) Capítulo(36) Capítulo(37) Capítulo(38) Capítulo(39) Capítulo(40) Capítulo(41) Capítulo(42) Capítulo(43) Capítulo(44) Capítulo(45) Capítulo(46) Capítulo(47) Capítulo(48) Capítulo(49) Capítulo(50) Capítulo(51) Capítulo(52) Capítulo(53) Capítulo(54) Capítulo(55) Capítulo(56)


Naquele final de noite fez-se de fato uma reunião com o intuito de selar a paz entre nós. A reunião foi iniciada por Marcela e ao final ficou decidido que não haveria mais discórdia entre as meninas, embora pude perceber no olhar de Luciana, o qual me era dirigido constantemente, que na primeira oportunidade ela romperia o acordo. Ficou decidido também que, devido a pouca possibilidade de sermos resgatados nos próximos dias, faríamos uma melhora na cabana, tornando-a mais aconchegante a habitável, já que esta seria por um período talvez longo o nosso lar. Todos, inclusive Luciana que ainda não havia melhorado totalmente do pé, teria de ajudar. Não haveria privilégios e exceções. E por último ficou resolvido que vasculharíamos a ilha a fim de encontrar pedaços de metal para que usássemos como ferramentas ou que pudessem ser usado para fabricá-las; aliás, essa proposta partiu de Marcela em seguida a decisão de melhorar a cabana, quando indaguei como faríamos para cortar madeira para construir os alicerces, no que Marcela propôs encontrarmos pedaços de metal e derretê-lo. Lembro-me inclusive de suas palavras:
-- Claro que metais são pesados e afundam. Portanto eles não ia chegar aqui, mas algum pedaço preso à madeira ou a um pedaço de barco ou até mesmo deixado aqui por alguém. A gente já sabe que essa ilha já foi visitada. Pregos velhos e enferrujados. Devem ter alguns poi ai, enferrujados, mas mesmo assim servem.
E de fato ela estava com a razão. Foram encontrados por minha prima pouco mais de meia dúzia deles pregados numa tabua que a maré deva ter trago há alguns anos. Marcela achou um pedaço de chapa presa a um pedaço de pau, provavelmente destroços de um barco pesqueiro que naufragara ali perto. E nos dias seguintes, mais pregos, parafusos e mais um pedaço de metal medindo cerca de dez centímetros quadrados foram achados. Aliás, este último foi fruto de um golpe de sorte, uma vez que só pode ser encontrado porque Ana Paula estaca cavando a areia para fazer um castelo quando deparou com algo duro. E, ao cavar para ver do que se tratava, descobriu-se o pedaço de ferro.
Recolhemos tudo que achamos naqueles dois dias e então tornamos a nos reunir para decidir o que fazer. Eu não fazia a menor ideia de como derretê-los, pois sabia que aquele fogo brando da fogueira, a qual mantínhamos acesa desde a chegada à ilha, não serviria para nada. Luciana e Ana Paula chegaram inclusive a dizer que não seria possível derretê-los. Marcela por outro lado insistiu que se fizéssemos uma fogueira maior talvez desse certo, pois quanto maior a fogueira maior o calor. Isso inclusive gerou um princípio de discussão entre ela e Luciana, onde tive de intervir, relembrando-as da promessa feita há dois dias no sentido criar desavenças.
Os ânimos se acalmaram, mas era evidente que não por muito tempo. Luciana, possivelmente tomada pelo ciume, não suportava a outra. Uma nova briga era questão de tempo. Uma discordância ou uma palavra mais ríspida por parte de Marcela certamente levaria Luciana a iniciar um bate boca e quiça partir para a agressão, ainda mais agora que o pé praticamente havia melhorado e ela já conseguia andar embora se forcá-lo muito.
De fato Luciana e Ana Paula estavam com a razão. Levei ao fogo os pregos sobre a chapa de metal e deixei-os por mais de meia hora e não derreteram, mesmo colocando mais madeira a fim de aumentar o fogo e o calor. Realmente o o calor aumentou, tanto que não conseguimos ficar tão próximos da fogueira como ficávamos antes, mas deu resultado. Houve inclusive o temor de que o fogo pudesse atingir os pedaços de madeira que sustentavam a cabana. Assim, tanto os pregos quanto os dois pedaços de ferro foram deixados do lado de fora da cabana até o dia seguinte, na esperança de que encontrássemos uma utilidade para eles. Aliás, naquela noite mesmo, após aquela tentativa fracassada de derretê-los, Marcela sugeriu tentarmos novamente no dia seguinte, mas agora construindo com pedras uma espécie de fornalha e, ao invés de usarmos gravetos como vínhamos fazendo, usarmos pedaços mais grossos de árvore. A questão era que não havia como cortarmos as árvores.
-- Por que a gente não tenta amolar esse pedaço de ferro maior? É só você ir esfregando uma pedra dum lado dele que ele vai amolar. Depois a gente tenta usar ele para cortar um pedaço de árvore mais grosso – propôs Luciana. -- Eu te ajudo a cortar.
-- Podemos tentar – respondi.
E assim foi feito. Levei um dia e meio para conseguir afinar um dos lados da chapa de ferro, já que a mesma possuía cerca de um centímetro de espessura. Quando dei o serviço por terminado, jazia com as mãos machucadas e com os braços doloridos. E para compensar o meu esforço, houve uma salva de palmas, um parabéns para você e finalmente as três decidiram que eu ficaria na cabana descansando enquanto elas iriam em busca de algo para comermos, uma vez que naquele dia eu ainda não tinha ido pescar apesar de que tencionava fazê-lo mais tarde, antes de anoitecer. Aproveitei para tirar uma soneca, já que estava sozinho.
Acordei com o riso das três. Vinham alegremente em direção a cabana. Não consegui entender o que diziam, mas o fato de estarem sorrindo me tranquilizou, pois quando saíram temi que pudessem desentender-se e voltarem sem se falarem. Lembro-me inclusive de pensar: “É tão bom ver elas assim. Quem sabe Luciana pára de implicar com elas e larga até do meu pé. Ela sabe que não sinto nada por ela e que gosto mesmo é da Marcela. Talvez ela esqueça de vez aquela história de que sou seu maridinho e de que tenho que fazer um filho nela. Ela nem tentou me agarrar esses dias e nem me obrigou a meter com ela. É. Ela deve ter parado com isso. Viu que estava fazendo coisa errada, que Deus ia castigar ela. Ela disse que não acredita em Deus. Mas deve ter dito isso só da boca para fora. Como pode uma pessoa não acreditar em Deus? É até pecado pensar numa coisa dessas...”.
-- Olha o que achamos – disse minha prima, mostrando-me dois ovos, pouco menores do que ovos de galinha. -- Ovos!
-- Onde vocês acharam isso? -- apressei em perguntar. Imediatamente levantei e fui pegá-los.
-- Lá em cima, no cume da ilha, perto de onde fomos outro dia – explicou Lucina. -- Subimos as três lá em cima. E não achamos só isso não. Olha aqui: -- estendeu o braço e aproximou a mão onde se encontrava três goiabas grandes e bem maduras. -- A gente trouxe essas aqui para você. É um presente.
Apanhei uma das goiabas e, antes de levá-la à boca, falei:
-- Mas e pra vocês?
-- A gente já comeu lá no pé mesmo. Eu comi quatro, a Marcela três e a Luciana também comeu quatro – disse minha prima. -- E tem mais lá, mas como estavam verdes, a gente resolveu deixar para ir buscar depois.
-- Vocês não deveriam ficar se enfiando nessa mata. É perigoso! -- falei.
-- Perigoso por quê? -- insistiu Luciana. -- Não vai me dizer que é por causa daquela história de que você andou ouvindo sons estranhos vindo de lá. Já te falei: isso é invenção da tua cabeça. Não tem nada ali. A gente andou a mata quase toda e não vimos o menor sinal de qualquer animal. Não tem pegadas, não tem nada. Portanto, não tem bicho nenhum.
-- Mas eu ouvi – insisti. -- Eu senti que tinha alguma coisa observando a gente.
-- Deve ter sido o vento que te deu essa sensação – disse Marcela. -- Realmente não vimos nada.
Vencido, acabei aceitando. No entanto, não me convenci. Aliás, ninguém me convenceria do contrário, nem mesmo as mais contundentes provas. Eu podia estar errado e completamente equivocado, mas eu era tão somente um garoto de doze anos, e nessa idade ainda damos muito crédito à nossa imaginação, como se ela fosse tão somente uma extensão da realidade. Não havia amadurecido o bastante para distinguir o real do imaginário, ainda mais se levarmos em conta que, como acontece com muitas crianças, os pais, ao invés de educá-los de forma que essa separação fique bem clara, acabam por usar esta falta de discernimento para distorcer ainda mais a realidade, incutindo um medo que muitas vezes acaba afetando a criança para o resto da vida.
Comi duas goiabas apenas. Não que a outra não coubesse, eu apenas achei que poderia guardá-la para mais tarde ou para o dia seguinte. Nesses ínterim, foi levantada a questão de como cozinhar os ovos. Mais uma vez quem propôs a melhor solução foi Marcela: encher duas cascas de coco com água, colocar um ovo em cada e colocá-la na fogueira. Assim a água ferveria e cozinharia os ovos.
-- É assim mesmo que se cozinha ovos – explicou Luciana, numa das raras vezes em que concordou com Marcela.
Após cozidos e deixados esfriar por alguns instantes, foram descascados e partidos ao meio, onde cada um saboreou lentamente a sua metade. Isso nos fez lembrar de nossa casa, da deliciosa comida que nossas mães preparava. Cada um falou de seu prato preferido e de como este nos fazia falta. Um ar de saudade e tristeza se abateu todos nós, levando-nos ao mais completo silêncio; silêncio esse que só foi quebrado para dizer que deveríamos dormir para, no outro, dia tentarmos cortar algumas árvores para então construir uma casa de verdade.


LEIA TAMBÉM:
NÃO DEIXE DE SER CRIANÇA – Será publicado num livro didático pela Editora do Brasil de São Paulo.
SER ADOLESCENTE É(1)... - Foi usado num video produzido pela ONG Instituto Mamulengo Social de São José dos Campos - SP que trabalha com adolescentes.
É POR ISSO QUE TE AMO – Parte de texto foi usada numa campanha publicitária em Belo Horizonte.
O DIÁRIO DE ANA CARLA – Como o próprio título diz, é a versão da personagem Ana Carla da história A MENINA DO ÔNIBUS. Recebi um convite da Editora Soler de Belo Horizonte para publicá-lo em livro. A obra completa já está quase pronta. Aliás, estes dois textos me renderam até agora mais de 100 emails elogiosos.
APRENDA COM TEUS ERROS – Usado pela professora Isabela no colégio IPEI em João Pessoa -PB
ELA É MINHA VIDA – Gravada por "POLEIRO" em Portugal.
NÃO DEIXEM MORRER AS FLORES – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL
EU NÃO NASCI COM ASAS – Selecionado e Lido no prgrama "AGITO GERAL" da RÁDIO GLOBO pelo comunicador DAVID RANGEL

NÃO DEIXE DE LER: 30 TEXTOS MAIS LIDOS DA USINA NOS ÚLTIMOS 6 MESES

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 267Exibido 825 vezesFale com o autor